| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

DIÓGENES
Desde: 15/07/2005      Publicadas: 655      Atualização: 10/01/2016

Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES


 CULTURA
  14/03/2011
  0 comentário(s)


A APROPRIAÇÃO DA CULTURA - Fausto Brignol
"No capitalismo, a cultura é tida como um produto, objeto de consumo, e quando está institucionalizada, estacionária, tende a se exaurir. Pelas próprias características intrínsecas do capitalismo " que implica, forçosamente, na divisão de classes " a classe dominante e manipuladora de todos os setores sociais procura se apropriar da cultura, compartimentando-a e a tornando fonte de poder e de lucro. Assim, a cultura, que é sugada das classes populares em sua essência e origem, passa a ser a cultura da classe dominante, que a utiliza como sustentáculo e razão de ser do seu status."
A APROPRIAÇÃO DA CULTURA - Fausto BrignolNão há classe dominante sem cultura dominante.

A cultura é uma amálgama de todas as relações sociais; um cadinho das forças centrípetas originárias da formação de um povo; um resumo de hábitos, religiões, folclore, conhecimentos ancestrais e atividades espirituais e artísticas que fazem com que um povo se identifique e se reconheça como detentor de determinados e específicos valores culturais.

No entanto, quando a cultura é institucionalizada " depois do período de fermentação necessário " o povo a quem ela pertence também estaciona, tornando-se escravo de hábitos culturais que o ultrapassam, devido à sua inação.

É quando sobrevém o sentimento de desfrutar aquilo que já existe e está estabelecido; de transformar o fator cultural em objeto de lucro. E este é o primeiro passo para que se forme uma mentalidade capitalista, que somente objetiva auferir lucro, como uma espécie de usufruto, dos seus valores culturais estanques.

É também nesse momento que a criatividade começa a ceder lugar à repetição; momento em que a cultura já possui normas próprias e se constitui em produto.

Um povo que para de criar é um povo que começa a morrer espiritualmente, de tanto repetir a sua cultura normatizada aviltando e esquecendo as suas próprias origens e raízes, porque a herança cultural e espiritual de um povo é, também, o seu único legado.

No capitalismo, a cultura é tida como um produto, objeto de consumo, e quando está institucionalizada, estacionária, tende a se exaurir.

Pelas próprias características intrínsecas do capitalismo " que implica, forçosamente, na divisão de classes " a classe dominante e manipuladora de todos os setores sociais procura se apropriar da cultura, compartimentando-a e a tornando fonte de poder e de lucro.

Assim, a cultura, que é sugada das classes populares em sua essência e origem, passa a ser a cultura da classe dominante, que a utiliza como sustentáculo e razão de ser do seu status.

Tratada como produto, a cultura passa então a ser recriada, reinventada incessantemente, pelos agentes culturais da classe dominante " ou produtores culturais " estreitamente ligados à burguesia. Mas essa recriação e reinvenção da cultura é horizontal e serve como base ideológica de um sistema que deseja perpetuar-se através do convencimento da sua superioridade. Pela ausência de força, de origens, de raízes, a cultura assim tratada horizontalmente dilui-se no abstracionismo e na repetição dos mesmos temas, porque é roubada do povo apenas em seus aspectos artísticos, que podem ser compartimentados, encaixotados e utilizados como qualquer outro produto.

É nesse momento que os artistas passam a cúmplices do sistema, utilizados para uso e prazer da burguesia (como modernos bufões) que, assim, forma a sua cultura própria e separada das demais classes populares. Uma cultura híbrida e oca que irá extinguir-se junto com a natural extinção da burguesia.

Essa cultura que então se torna burguesa, utilizada para fins de "demonstração" da superioridade da classe manipuladora, também se torna útil quando é jogada de volta para o povo, mas em seus aspectos mais degradados, como restolho ou lixo cultural, através da mídia subserviente, sob a farsa mascarada de "cultura popular" para que os despossuídos também culturalmente " e principalmente os mais jovens " tenham a ilusão de estar participando da "construção cultural" do país. E atua, também, (como cultura embriagante) como fator de massificação e alienação da verdadeira realidade social.

No Brasil, temos como exemplo gritante desse lixo cultural reciclado e jogado de volta para o povo, na música o "hip-hop", ou "rap" - que já vem de uma subcultura estrangeira, porque nasceu nos bairros negros dos Estados Unidos como forma de grito de protesto, mas foi absorvida pelo sistema, transformada em cultura "comportada" e exportada para os países periféricos, como o Brasil, que absorve tudo o que vem da matriz.

Outro exemplo bem atual, que tem as mesmas raízes estadunidenses, é a assim chamada "musica sertaneja", que, na verdade, é uma cópia da música country norte-americana, assim como os rodeios e as festas que a acompanham e ritualizam, principalmente no interior de São Paulo.

E assim em todos os aspectos artísticos, com o objetivo de, ao mudar das gerações, fazer o povo (que somente recebe informações da mídia controlada) pensar que essa cultura é originária do seu próprio fazer cultural.

Assim o carnaval no Brasil. Uma repetição de códigos e de signos dos quais já se conhece a síntese, que será sempre uma quarta-feira de cinzas, repetindo-se ano a ano com o objetivo de satisfazer os desejos mais pobres de sensualidade e volúpia, e, por isso mesmo, permanecendo estacionário enquanto fator cultural, porque nada acrescenta ao que já está disposto e agendado. Mas serve ao sistema, que o usa como fonte de lucro e benefício, utilizando para isto artistas dos mais diversos setores " desde coreógrafos e bailarinos até músicos profissionais " como cúmplices e co-proprietários da apropriação da cultura popular pela burguesia para fins de exploração.

A própria globalização também é uma forma de tentar unificar mundialmente a miséria cultural, aliada da miséria econômica. As classes mais ricas reservam para si o que julgam ser uma cultura mais "sofisticada", mas não menos alienante do que o lixo cultural que devolvem para o povo, que se torna carente também de cultura, perde as suas raízes, esquece as suas tradições e busca exemplos na subcultura dos grandes países capitalistas, que são especialistas na difusão de todo o tipo de degradação.

Um povo, uma nação, é um corpo social. Se perder a vitalidade, se seu sangue for sugado ao ponto de tornar-se doente, cairá na decrepitude e morrerá. A cultura é o sangue do corpo social. E tem que ser constantemente revitalizada para que o corpo não se torne enfermo. Essa revitalização somente acontece através de novas formas de criatividade, mas sempre preservando as origens, a fonte do seu nascedouro como povo e como nação.

Ocasionalmente, e talvez sazonalmente, quando surgem os sintomas dessa doença no corpo social, o próprio sistema que se apropriou da cultura costuma agir, acionando os seus anticorpos na forma de novas explosões culturais " mas, inevitavelmente, movimentos culturais que surgem dentro da burguesia, da classe dominante.

Assim foi a Semana de Arte Moderna, em 1922, que trouxe para o Brasil o Modernismo, através da poesia concreta e da arte abstrata, entre outras facetas culturais. Trouxe sangue novo para a cultura brasileira, mas sangue importado da Europa, porque foram os agentes culturais da burguesia " mesmo que se considerassem "rebeldes" " que importaram essas formas de cultura que já tinham surgido no velho continente. Isso fez com que as classes dominantes se recuperassem do perigo de envelhecimento, mas as classes populares continuaram doentes.

E assim, em cada década, novos movimentos culturais surgiram, mas sempre dentro da mesma classe dominante que se apropriou da cultura e dela se serve como produto. Nada que fosse extensivo ao povo ou que dele germinasse.

É próprio dos países colonizados e dependentes economicamente " como o Brasil em relação aos Estados Unidos e às grandes casas bancárias internacionais " aceitar também a colonização cultural. Nós não exportamos cultura, mas absorvemos a cultura que é gerada em outros países. O máximo que fazemos em termos de exportação de cultura é enviar de volta uma cultura pasteurizada, anteriormente absorvida do exterior; ou vendermos uma cultura estereotipada, que revela a imagem de um Brasil colonizado " como Carmen Miranda na época da "política de boa vizinhança" com os Estados Unidos.

Mesmo quando surge um novo movimento cultural, como, por exemplo, a Jovem Guarda, nos anos sessenta " que tentava fazer um rock brasileiro -, ou a Bossa Nova, na mesma época " que buscava uma estética parecida com o Jazz " esse movimento acontece sempre dentro da mesma classe social dominante.

Raramente ocorrem legítimas manifestações populares, como foi o caso do Tropicalismo, com Caetano, Gil, Tom Zé e outros (sendo que Caetano e Gil foram domesticados, enquanto Tom Zé ainda insiste em ser criativo), que buscaram na cultura popular novas formas estéticas na tentativa de fazer uma música realmente brasileira, mas dentro de novos padrões experimentais. Quando isso acontece, o povo desperta. Mas aquele movimento artístico surgiu numa época de extrema repressão e, mesmo tentando ser original, foi obrigado a se condicionar ao encaixotamento das gravadoras e da mídia.

De lá para cá nada tem surgido como expressão da cultura popular. Nada de verdadeiramente original. Temos excelentes artistas; faz-se, inclusive, por vezes, um teatro que tenta ser libertador, como o exemplo deixado por Augusto Boal, mas sempre circunscrito a pequenos círculos, vigiados cuidadosamente pelo sistema.

Ao povo, a doença do funk, rap, e os protestos da quase arte nos muros. Ao povo a música country e o rock que nada mais diz. O teatro encomendado, as pinturas sem perspectiva e o carnaval estereotipado para gringo ver.

Quando um povo adoece, não só pela pobreza e miséria da maioria dos seus membros, mas, também, devido à normatividade e horizontalização da sua cultura " que se torna rarefeita, perigando se exaurir " necessita, então, de um tratamento radical para que o todo do corpo social não se torne contaminado e venha a perecer.

Esse tratamento se chama Revolução.

A palavra revolução não significa apenas transformação social drástica e necessária, em determinados momentos da vida de um povo. Também indica a necessidade de voltar a evoluir (re-evoluir), porque somente os povos estagnados, que pararam de evoluir social, espiritual e culturalmente, necessitam de uma revolução.

As revoluções sociais que aconteceram visando apenas remendar os aspectos econômicos de determinados países e dar ao conjunto do povo reais condições de vida e não somente de sobrevivência, tiveram curta duração. Principalmente à medida que surgiam novas gerações naqueles países, que se sentiam atraídas pelas novidades tecnológicas dos países capitalistas e que não se interessaram em "continuar" a revolução.

Não pode haver revolução sem que haja, antecipadamente, um povo revolucionário impulsionado por fatores culturais " além dos fatores econômicos " que o faça desejar mudanças estruturais.

Uma revolução não significa simplesmente uma mudança radical de paradigma econômico. Antes de tudo, implica no desejo de novas estruturas culturais que incluirão, também, mudanças na economia visando o bem-estar de toda a população. Não se pode confundir revolução com golpe de estado ou movimento armado que apenas substitua os governantes e imponha uma nova ordem social e política.

Revolução não se impõe. Acontece de acordo com o grau de maturação social de cada nação e de cada povo. E essa maturação surge na medida em que o ambiente cultural torna-se saturado, devido ao reacionarismo vigente que torna estacionária a evolução cultural.

Mas uma revolução não acontece espontaneamente; necessita do sentimento revolucionário do povo. Quando determinado povo alcança aquele grau de saturação cultural e não reage nem desperta para a sua realidade, inevitavelmente será absorvido por povos mais fortes, que lhe darão a sua cultura, a sua forma econômica e política e o seu modo de viver e de ver o mundo " conforme aconteceu com Porto Rico, que hoje é mais uma estrela no pavilhão dos Estados Unidos.

E em povos assim, que desistem de lutar, o nacionalismo se desagrega e tudo aquilo que formava uma nação " e não simplesmente um povo disperso " é colocado de lado, esquecido, jogado no lixo. E o que forma uma nação é a sua cultura, de onde emana a força do povo e a sua capacidade de transformação.

A revolução é necessária em momentos de saturação cultural e não somente - e talvez não principalmente " nos períodos em que o fator econômico parece preponderar e obriga o povo a uma tomada de decisão. Porque um povo que não possua um sentimento revolucionário jamais tomará uma decisão revolucionária. Antes, preferirá deixar-se dominar por uma potência estrangeira, mesmo que lentamente e aos poucos - que lhe ensinará a como usar a sua economia e que lhe imporá a sua cultura. Um povo assim estará gravemente doente.

Uma revolução não necessita ser sangrenta. Ghandi deu o exemplo de como rebelar um povo pacificamente, através da desobediência civil, da não aceitação dos produtos e da cultura inglesa. E os ingleses tiveram que ir embora da Índia, porque os indianos desejavam fazer uma revolução; tinham um forte sentimento de nacionalidade e uniram-se no esforço para expulsar o inimigo comum. Principalmente porque o inimigo era estrangeiro.

Para fazer uma revolução, mesmo que pacífica, é necessário saber identificar o inimigo " mesmo que este seja do mesmo país " e enfrentá-lo abertamente. Porque o inimigo de uma nação sempre será estrangeiro, se representar uma classe que luta apenas por seus próprios interesses individuais, não hesitando em entregar o país e em dissolver a nação.

E uma revolução de verdade não termina. Ou será permanente ou se deixará absorver por forças reacionárias superiores. Lênin previu isto, quando pediu aos artistas soviéticos que procurassem fazer uma nova forma de arte, uma arte revolucionária, que se relacionasse com a cultura popular. Alguns como o cineasta Eisenstein, conseguiram superar-se, mas outros, que já estavam viciados na normatização burguesa, não entenderam e até se rebelaram.

Trotsky e muitos outros revolucionários de primeira hora, depois da morte de Lênin se revoltaram contra o governo de Stálin, que estava se burocratizando e formando castas sociais. Foram todos perseguidos; muitos foram mortos. Trotsky escreveu que o grande erro da revolução soviética foi ter parado, estagnado, o que a levaria " a continuar assim " a ser novamente absorvida pelo mundo capitalista, o que realmente aconteceu.

Um povo não pode deixar-se estagnar culturalmente, ou será somente um povo, não uma nação. E, à medida que a sua cultura estiver sendo, cada vez mais, apropriada pelas classes dominantes para transformá-la em produto de consumo, deverá reagir e revoltar-se. Ou aceitar a sua passiva morte.

Certa vez, Fidel castro foi entrevistado por um jornalista estrangeiro, que lhe perguntou quando iria cortar a sua barba. Fidel respondeu que a cortaria quando a revolução cubana terminasse. Fidel continua barbudo e a revolução cubana continua viva. Não terminará por obra e graça do seu próprio povo, enquanto o povo cubano entender que a revolução deve ser permanente.

Mao-Tsé-Tung instigou o povo chinês, principalmente os jovens, a fazer uma revolução cultural durante os anos sessenta, porque tinha consciência que revolução não é sinônimo de revolta armada. Houve alguns excessos e o Ocidente apavorou-se e condenou a revolução dentro da revolução na China. Mas aquela nova geração se sentiu participante da revolução iniciada pelos seus pais e a China saiu rejuvenescida do processo.

No Brasil nunca houve uma verdadeira revolução, a não ser aqueles pequenos movimentos armados, na época do Tenentismo, a tentativa do nacionalismo com Getúlio, de 1930 a 1945, quando foi golpeado pelas Forças Armadas e novamente de 1950 a 1954, quando preferiu a morte. O grande medo do capitalismo é o nacionalismo.

Depois a contra-revolução em 1964, que fechou o caminho para qualquer evolução cultural, social e econômica, entregando o país ao capital estrangeiro e instituindo uma nova classe social dominante, extremamente reacionária, que até hoje governa, mesmo que sem farda.

Há aqui uma inquietante estagnação.

Yes, nós temos Tom Zé e outros hermetos que não se deixam intimidar ou comprar e não são bananas.

Mas no país do carnaval, o nosso povo que gosta tanto de alegria talvez se esqueça de ir além do sorriso e da gargalhada; talvez se esqueça de exigir mais que alguns dias de folia; talvez se delicie apenas com o seu rosto mascarado, aceitando todas as fantasias importadas, e acalente o medo de ousar, de transformar, e se acomode cada vez mais ao estabelecido, até o momento em que estiver completamente domado e ensaiado para ser sempre passivo, sem capacidade para pensar o seu futuro, aceitando, como mendigo estéril, as tristes migalhas do seu eterno presente de palhaço.


  Mais notícias da seção Cultura no caderno CULTURA
04/03/2015 - Cultura - O acordo ortográfico e o futuro da língua portuguesa - MCA (A BIBLIOTECA DE JACINTO)
"É impresionante a quantidade de ambivalênsiax e de letras inuteix qe a língua portugesa tem! Uma língua qe tem pretensõex a ser a qinta língua maix falada do planeta, qomo pode impôr-se qom tantax qompliqasõex? Qomo pode expalhar-se pelo mundo, qomo póde tornar-se realmente impurtante se não aqompanha a evolusão natural da oralidade?"Outro problem...
17/09/2014 - Cultura - CONVERSA COM O MEDO - Fausto Brignol
"Caminhava devagar, mas, por momentos, dava breves e esquisitas corridas em zigue-zague para depois parar, olhar pros lados e pra trás novamente, e continuar contando os passos lentamente como se observasse o chão onde pisava. Fiquei absorto a observá-lo. Nunca tinha visto algo parecido. Estaria bêbado? Quando ele chegou perto, tentei desviar, mas ...
03/01/2014 - Cultura - POIS - Fausto Lima Brignol
Em defesa do Acordo Ortográfico, muitos intelectuais fisiológicos afirmam que se trata da evolução da língua que deve ser ratificada através das letras que a traduzem, o que, por certo, não respeita a verdade, pois não se pode considerar como evolução a destruição do sistema de ensino ou o curvar-se do Governo à ignorância generalizada ao ponto de ...
15/05/2013 - Cultura - CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONTRA VINDA DE MÉDICOS CUBANOS
Em sua nota ameaçadora, o CFM afirma claramente que confiar populações periféricas aos cuidados de médicos cubanos é submetê-las a profissionais não qualificados. E esbanja hipocrisia na defesa dos direitos daquelas pessoas. Não é isso que consta dos números da Organização Mundial de Saúde. Cuba, país submetido a um asfixiante bloqueio econômico,...
14/01/2013 - Cultura - A REVOLUÇÃO BOLIVARIANA
É uma revolução nitidamente anticapitalista, a favor do bem-estar do ser humano em harmonia com a natureza e isso atrai o ódio de pessoas não só mal informadas, como a acima referida como exemplo, mas de todos aqueles que desejam com veemência que 90% das riquezas da humanidade continuem a pertencer a 10% de exploradores....
04/12/2011 - Cultura - Ó NOSSO GENERAL: "A FORÇA NECESSÁRIA?!" - JOSÉ SOLÁ
JOSÉ SOLÁ, escritor português com vários livros editados, destacando-se "GANÂNCIA" estréia no Diógenes com esta bela crônica alusiva à repressão que os "indignados" de Portugal tem sofrido quando de suas manifestações.publicou em jornais diários portugueses na juventude. Trabalhou como operário em diversas áreas, nomeadamente construção naval. Caso...
02/11/2011 - Cultura - TERESA DA PRAÇA - Homero Mattos Jr.
"quando ela começou o gérson disse pra ela não se preocupe com o movimento porque vai ser fácil vai ser sempre a mesma coisa o primeiro vem do florista o segundo do bar e o terceiro do nada. mas né bem desse jeito quénão viu? porque pensa bem ó é comum de acontecer de o primeiro chegar em terceiro o terceiro em segundo e o segundo em primeiro. sei ...
11/08/2011 - Cultura - CHEGANDO AO PACÍFICO - Urda Alice Klueger
"Sem fôlego, embasbacada, dei-me conta do que estava acontecendo: em poucos dias viéramos do Atlântico ao Pacífico em duas rodas, atravessando as planícies argentinas, a Cordilheira dos Andes e tantas outras coisas, sem nenhum incidente que tivesse nos prejudicado, numa aventura que começara muito tempo atrás, quando seu Chico empezara[1] a me conv...
02/08/2011 - Cultura - A IDADE MÍDIA - HOMERO MATTOS Jr.
"As notas curtas provaram ser exatamente aquilo que um novo público -de educação rudimentar, em busca de informação condensada e facilmente assimilável- queria. (...) eram eles que iriam formar o mercado para os bens de consumo barato. Todas as notícias e artigos eram curtos. As reportagens políticas eram reduzidas a pequenas notícias meramente inf...
06/06/2011 - Cultura - PRISMAS E APARÊNCIAS - Fausto Brignol
"Com florzinhas nas lapelas, os senadores saíram da sua casa oficial. Foram recebidos por centenas de estranhas pessoas que não paravam de se beijar. Havia homens que pareciam mulheres e mulheres que pareciam homens. Todos pareciam ser alguma coisa que não eram, mas que desejariam ser. Pareciam manequins. E não paravam de se beijar. Os lábios já es...
28/05/2011 - Cultura - Na casa do seu Solón Campos e na casa onde dormiu o Bispo - Urda Alice Klueger
" Acho que Canelinha ainda não era município, quando tirávamos o tempo de lá ir passear, meu pai, minha mãe, nós crianças, semana inteira de passeio, coisas que ficaram indelevelmente gravadas nas memórias da minha vida. Antes de sair de casa a gente dizia que ia "para Tijucas", e para Tijucas seguíamos num sacolejante ônibus do qual tenho as piore...
21/04/2011 - Cultura - A VERDADEIRA PÁSCOA
"Mesmo que o Cristianismo tenha sido o veículo através do qual o Judaísmo ficou conhecido no Ocidente, devido à união da mensagem das duas religiões em um só livro, a Bíblia, são religiões diferentes com objetivos diferentes e mensagens quase opostas. A religião judaica, de acordo com a lenda, foi criada pelo seu deus, Jeová ou Javé, para unir o p...
13/04/2011 - Cultura - ENTREVISTA DEPOIS DO JOGO - Fausto Brignol
"E você conhece as cláusulas do meu contrato? Eu não tenho nem a opção de parar de jogar ou terei de pagar uma multa astronômica. E dos três milhões, uma parte vai pro meu empresário, outra vai para não sei qual fundação e eu ainda fico com dinheiro demais. Não é justo eu ganhar tanto só para jogar futebol quando tem tanta gente passando fome e esm...
14/03/2011 - Cultura - TIO OSVALDO E AS NOITES ENCANTADAS - Urda Alice Klueger
"Eu tive uma infância encantada por tios. Como a minha vida começa a ter sentido e lembranças lá quando eu tinha 3 anos, isso envolve as décadas de 1950/1960. Havia o tio que não era tio mas que era primo, mas que a gente chamava de tio Júlio, e que era vizinho de cerca, e então o tio Júlio fazia parte do dia a dia e não entra nesta história."...
25/02/2011 - Cultura - ELA, OS ORIXÁS E A MOÇA QUE TRABALHA EM CASA DE FAMÍLIA - Homero Mattos Jr.
"Ela desligou o telefone e voltou para a cozinha onde A Moça Que Trabalha em Casa de Família começava a preparar o almoço. depois de tomar o café da manhã calada o tempo todo Ela continuou ali. na cozinha. calada. pensando pensando refletindo refletindo tentando decifrar o sonho daquela noite. mas que coisa mais engraçada e encafifante aquele tróço...
11/02/2011 - Cultura - CADÊ O MANIFESTO DOS INTELECTUAIS CONTRA BELO MONTE?
Não estou dizendo que todos sejam omissos ao que está acontecendo no Xingu. Existem vários grupos, sites, blogs, de pessoas reconhecidamente intelectuais, que estão lutando contra a construção de Belo Monte. No Brasil, nem todo intelectual é necessariamente um doutrinado petista ou um esfuziante dilmista. Vejam Leonardo Boff, que assinou o mani...
07/02/2011 - Cultura - DESDE AS NEVES DO ILIMANI - Urda Alice Klueger
"De qualquer forma, a taça única está lá, e pode-se ir colocando nela as mais perfeitas pérolas garimpadas no universo imenso que existe dentro de uma pessoa: a da devoção extrema, a do amor incondicional, a da ternura mais límpida e confortadora, a do apoio na hora da dúvida ou do cansaço, a que representa um ombro ou uma mão que pretendem dar seg...
25/01/2011 - Cultura - SILVIO JOSÉ - texto de Urda Alice Klueger
"Tenho o privilégio de ser vizinha de Sílvio José há quase ano e meio, o que significa que o conheci muito menino - atualmente, com dez anos, esticou um bocado, está ficando com jeito de mocinho e, além de ser bom aluno na escola, recém fez sua primeira comunhão com a solenidade e a seriedade de um pequeno noivo."...
18/01/2011 - Cultura - O MISTÉRIO DO VERDE INIGUALÁVEL - Urda Alice Klueger
"Então ontem passei lá em Ascurra, não mais de trem, mas na estrada asfaltada, e lá ainda está a casa que era a estação do trem e as tantas lembranças, e como numa voragem eu voltei ao meu casaquinho vermelho abotoado, ao leite cheio de nata na xícara branca, ao colo agora tão dolorosamente distante do meu pai, e àquela cor do arroz novo que já não...
24/12/2010 - Cultura - A GERAÇÃO QUE DESISTIU
O que o Poder mais teme não é a revolução política. Esta pode ser vencida, seus membros podem ser comprados ou, se vencerem, poderão ser encaminhados, aos poucos, para as velhas práticas que combateram. O que o Poder teme é a revolução cultural, que não pode ser prevista, evitada ou controlada; sacode alicerces, derruba templos e faz as suas própri...
24/12/2010 - Cultura - O SENHOR DO KARMA
Não é apenas a mensagem de paz e de amor que devemos passar uns para os outros, neste Natal. Além da mensagem, a ação, porque Jesus era um homem de ação. Expulsava os mercadores do templo, denunciava a hipocrisia. O verdadeiro cristão não necessita de um Papa ou de um Arcebispo de Canterbury. ....
21/12/2010 - Cultura - POR CAUSA DO PAPAI NOEL 2 - Urda Alice Klueger
"Foi assim: era dezembro de 2008 na cidade de Blumenau, logo após a grande Tragédia das Águas, e a gente se agarrava a qualquer fiapo de alegria para fazer de conta de que estava bem, ou que pelo menos estava melhor - e então vi na Internet que Papai Noel estava para chegar à cidade naquele dia, na Prainha do rio, o que não era muito longe de onde ...
20/12/2010 - Cultura - SOMENTE UM SONHO
"26.723 Pessoas aproximavam-se com rapidez do Congresso Nacional. Alguém dentre eles gritou "Agora!", e formaram um cordão em torno às duas casas do Congresso. A um sinal, 23 entraram primeiro na Câmara Federal, depois de imobilizarem guardas e seguranças. Um deles disse ao microfone: "A Câmara Federal está fechada! Os senhores estão presos. Por fa...
27/11/2010 - Cultura - TERRA ADORADA
O pipocar enlouquecido dos tirosnos morros cariocas- e muito em breve nos morros e não morrosem outras cidades do mesmo país doente -e nas vielas, nas esquinas, nas estradas,nos nichos e esconderijos,nos mínimos e imperfeitos lugaresonde a pátria amada vai caçar os seus filhosna solidão deste solo, para humilhá-los, prendê-los, matá-los heroicament...
27/11/2010 - Cultura - HISTÓRIA DE UM SOBRETUDO - Urda Alice Kluger
"Na primavera francesa, andei e andei pelas lojas de Paris, à procura do presente único, aquele que deixaria minha irmã de queixo caído, alguma coisa que absolutamente não existisse no Brasil, até que achei que tinha encontrado: em elegante vitrine, espiou para mim um mais elegante ainda sobretudo azul marinho. Gente, o sobretudo era lindo! Bastav...
16/11/2010 - Cultura - O GOLPE DA REPÚBLICA
TERRA DO BRASIL"Espavorida agita-se a criança,De noturnos fantasmas com receio,Mas se o abrigo lhe dá materno seio,Fecha os doridos olhos e descansa."Perdida é para mim toda a esperançaDe volver ao Brasil; de lá me veioUm pugilo de terra; e neste creioBrando será meu sono e sem tardança..."Qual o infante a dormir em peito amigo,Tristes sombras varr...
05/11/2010 - Cultura - AS FRUTAS DA COLÔMBIA - Urda Alice Klueger
"O brasileiro tem da Colômbia, como do resto do continente, uma péssima imagem. Sabe que lá há guerrilha e cocaí­na, e nada mais. Nem lhe passa pela cabeça imaginar a grande fer­tilidade da Colômbia, seu litoral paradisíaco, seu povo alegre e brincalhão. Eu viajei, faz pouco tempo, pela Colômbia, e fiquei pasma com a sua agricultura. Comecei uma lo...
30/10/2010 - Cultura - A ERA DA MEGERA
"Quando chegar a Era da MegeraE a densa noite encobrir o dia;Quando sumir do peito a galhardiaE a vida se tornar em longa espera......
30/10/2010 - Cultura - A DITADURA DA DEMOCRACIA
"Outro ponto importante que o PT descobriu como forma de preservar-se no poder foi a política de constantes alianças, tanto no Executivo como no Legislativo. Isso implica em dinheiro. Não necessariamente corrupção ativa, escancarada, mas a troca de cargos por alianças. Observem o Executivo e sua quantidade de ministérios e secretarias que servem a...
26/10/2010 - Cultura - A GLOBO, O PT E A MULHER DE CÉSAR
Os militantes do PT até hoje atacam a Globo, mas deve ser por vício ou por ofício.Quando Lily Marinho, viúva de Roberto Marinho, das Organizações Globo, recebeu Dilma Roussef, no início do ano, ficou muito encantada.A Folha de São Paulo relata:"Dilma se sentou perto de Lily, em cadeira de rodas por causa de uma queda. "Que tipo de música você gost...



Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES
Busca em

  
655 Notícias