| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

DIÓGENES
Desde: 15/07/2005      Publicadas: 655      Atualização: 10/01/2016

Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES


 HISTÓRIA

  19/09/2010
  1 comentário(s)


REVOLUÇÃO FARROUPILHA: MITO E VERDADE

"Os ideais dos farroupilhas não foram além da luta pela igualdade de direitos entre duas oligarquias monopolistas. A que centralizava o poder no país - o Império - e os representantes das classes dominantes gaúchas, principalmente latifundiários e profissionais liberais.

REVOLUÇÃO FARROUPILHA: MITO E VERDADEFoi uma guerra gerada por grandes interesses econômicos, quando o povo foi manipulado para acreditar que estava lutando pela independência e liberdade. Guerra que terminou, depois de 10 anos, quando as elites oligárquicas dos dois lados fizeram um acordo que satisfazia a todos - menos ao povo.


Descontentes com a desigual distribuição de renda que era feita pelo Governo Imperial em relação às suas províncias, com os exorbitantes impostos aos produtos riograndenses, que eram vencidos pela concorrência dos platinos; aproveitando o período de transição da Regência de Feijó (entre Dom Pedro I e Dom Pedro II) as elites gaúchas, marcadamente os grandes latifundiários, aproveitaram o momento histórico para derrubar o governo da província e lutar por seus interesses pessoais.


Era sua idéia, com esse ato, forçar o governo imperial a decidir-se por uma solução federalista que daria maior autonomia econômica e política às províncias do Império.

Como última opção, usariam o argumento separatista com a possibilidade até de uma revolução, mas sabiam que o Império jamais abriria mão do Rio Grande do Sul, principalmente após perder a Cisplatina (hoje Uruguai), em 1825, e acreditavam que o golpe de força ao tomarem o governo da Província seria o suficiente para que o governo de Feijó entrasse em acordo com aqueles que representavam as classes dominantes gaúchas.

Acreditavam, ainda, que a ameaça de Artigas - que idealizava a criação do que chamava "Pátria Grande do Prata", um país que se estenderia pelos territórios do Paraguai, as províncias argentinas de Corrientes, Entre-Rios e Missiones e as Missões Brasileiras entre os rios Uruguai, Ibicuí, Vacacaí e Santa Maria - de criar um novo país incluindo parte do Rio Grande do Sul, seria um fator importante para que o Império acatasse as reivindicações dos golpistas, evitando assim a possibilidade de desmembramento através de uma revolução que poderia ter o apoio de potências estrangeiras.

Ao contrário do mito criado em torno de uma revolução libertária exigida pelo povo gaúcho em pé de guerra contra o Império, a tomada do governo da Província foi combinada, em seus detalhes, dentro dos salões das Lojas maçônicas, ponto de encontro das elites gaúchas.
Eram duas as correntes maçônicas em solo brasileiro, que se identificavam por cores. A Azul " que pregava o federalismo monárquico " era ligada à Inglaterra, onde atuava como poder oculto através das "quatro colunas" exteriorizadas nas quatro principais instituições inglesas: O Foreign Office (serviço de Relações Exteriores), o Almirantado, o Banco da Inglaterra e o Intelligence Service (serviço secreto).
A maçonaria Vermelha reivindicava os ideais de Rousseau, Locke e Montesquieu e defendia o Liberalismo Republicano, aos moldes da Revolução dos Estados Unidos e da Revolução Francesa. Eram separatistas e lutavam pelo fim do Império.
Na verdade, era uma só Maçonaria, com duas estratégias não tão distintas assim. Mesmo o poder dominante da época sendo da Inglaterra monárquica, já era previsto que esse poder iria passar para os Estados Unidos republicano, que já invadia o México, dominava o Panamá e ameaçava a unidade dos países latinos proposta por Bolívar. Nos Estados Unidos, a Maçonaria vermelha dominava com o apoio do Império Britânico " maçonaria azul " que de colonizador, após a guerra da independência passara a principal aliado dos Estados Unidos.

Essas duas propostas estratégicas da Maçonaria brasileira, no Rio Grande do Sul atraíam desde intelectuais libertários a reacionários latifundiários. Entre as duas colunas todos eram iguais. O importante é que essas "duas colunas" mantivessem a todos os irmãos na mesma obediência e que as decisões finais fossem acatadas.

No início da Revolução Farroupilha, antes de ela se constituir de fato em uma revolução, mas quando ainda era uma simples revolta que visava unicamente a tomada do governo da Província, objetivando o Federalismo, a influência da maçonaria Azul era preponderante.
O objetivo era o federalismo monárquico, com mais autonomia econômica para a Província. Futuramente, dentro da estratégia proposta, haveria oportunidade para um golpe de estado que instituísse a República. Mas não pensavam em separação do Brasil. Pequenas insurgências aqui e ali, em diversos estados da Coroa, fariam, aos poucos, que o Império se mostrasse impotente e ultrapassado e a proposta da República - como "saneadora de todos os males" - faria com que o povo aceitasse passivamente quando o golpe republicano viesse a acontecer.

Era esta a idéia dos rebeldes gaúchos quando se reuniram naquela noite de 18 de setembro de 1835, na Loja Philantropia e Liberdade, da qual Bento Gonçalves da Silva era Venerável-Mestre, em Porto Alegre. Estavam presentes José Mariano de Mattos, Gomes Jardim, Vicente da Fontoura, Pedro Boticário, Paulino da Fontoura, Antônio de Souza Neto e Domingos José de Almeida. Decidiu-se por unanimidade que dali a dois dias, 20 de setembro, tomariam militarmente Porto Alegre e destituiriam o presidente provincial Fernandes Braga.
Na madrugada de 20 de setembro as tropas dos revoltosos, com cerca de 200 homens, penetraram em Porto Alegre, pela Azenha, encontrando pouca ou nenhuma resistência. O Presidente da Província, Fernandes Braga fugiu para Rio Grande, onde se refugiou. Ocupada a capital, os revoltosos deram posse a Marciano Pereira Ribeiro como Presidente Provincial. Cinco dias depois, Bento Gonçalves leu um manifesto, que deixava clara a intenção do golpe. Entre outras coisas, explicitava: "(...) não nos propusemos outro fim que restaurar o império da lei, afastando de nós um administrador inepto e faccioso, sustentando o trono do nosso jovem monarca e a integridade do império."
O final do manifesto termina assim: "Viva a integridade do Império! Viva a união brasileira! Viva o Sr. D. Pedro I, imperador constitucional do Brasil! Vivam o riograndenses! Viva o dia 20 de setembro!"
Não havia qualquer intenção de revolução contra o Império e esperavam que o Regente Feijó (que também era maçom) mandasse outro Presidente Provincial ao gosto dos que agora detinham o poder.

Mas a resposta de Feijó foi enviar o novo indicado José de Araújo Ribeiro, acompanhado de um verdadeiro aparato de guerra: onze brigues e escunas, além de diversas canhoneiras, lanchas e iates, carregados de armamento e muitos soldados imperiais, sob o comando do capitão de mar e guerra, o inglês John Pascoe Grenfell.
Araújo Ribeiro tomou posse do governo da Província na cidade de Rio Grande, no dia 15 de janeiro de 1836, o que foi recebido pelos revoltosos como uma declaração de guerra. Até então não tinha havido nenhum outro combate, desde 20 de setembro de 1835. Mas, imediatamente, as tropas farroupilhas, que estavam dispersas, começaram a ser reunidas sob a liderança de Bento Gonçalves, Marciano Ribeiro, Antônio de Souza Neto, Onofre Pires, David Canabarro, Lucas de Oliveira, Pedro Boticário, Vicente Ferrer de Almeida e José Mariano de Mattos.
Por seu lado, as tropas imperiais eram lideradas por João da Silva Tavares, Francisco Pedro de Abreu (o Chico Pedro, ou Moringue), Manuel Marques de Souza (mais tarde, Conde de Porto Alegre), Bento Manuel Ribeiro (que depois mudou de lado mais três vezes) e Manuel Luís Osório. Para engrossar as tropas imperiais foram contratados mercenários do Uruguai.

FARRAPOS

Desde 1831, havia os jornais "Jurujuba dos Farroupilhas" e "Matraca dos Farroupilhas". Farroupilhas, ou Jurujubas era um termo utilizado no Parlamento do Rio de Janeiro pelos membros do Partido Restaurador, que tentavam, assim, menosprezar os gaúchos vinculados ao Partido Liberal, oposicionistas ao governo central. Por seu lado, os liberais chamavam os conservadores de caramurus ou camelos.

Os liberais assumiram o termo e, inclusive, formaram o Partido Farroupilha, cujos membros reuniam-se na Sociedade Continentino (em alusão a Continente de São Pedro, primeiro nome do Rio Grande do Sul), que deu origem à Loja maçônica Philantropia e Liberdade.
Já naquela época, circulava no Rio Grande do Sul o conde italiano Tito Lìvio Zambeccari. Maçom e carbonário, Zambeccari atuava na Sociedade Continentino como uma espécie de elo de ligação entre os carbonários italianos e os maçons gaúchos. Tornou-se amigo e assessor daqueles que viriam a ser alguns dos principais líderes da Revolução Farroupilha: Bento Gonçalves, Onofre Pires e Domingos José de Almeida.
Segundo relato de seus contemporâneos, Zambeccari, Bento Gonçalves, Onofre Pires e José Calvet é que tratavam dos negócios da República Rio-Grandense, sendo Zambeccari a primeira cabeça que planejara a marcha que se deveria seguir mais tarde. Para o historiador Alfredo Varela, o italiano influenciara os manifestos assinados por Bento Gonçalves, sendo o de 24 de março de 1836, de sua autoria. Assim, também, a bandeira da República Rio-Grandense teria sido idealizada por Zambeccari, antes mesmo do início da revolução. Ao rebentar o conflito, tornou-se secretário e chefe do estado-maior do general Bento Gonçalves. Com ele foi preso na batalha do Fanfa, em 4 de outubro de 1836, e enviado à Presiganga, navio-prisão ancorado no rio Guaíba, para depois ser transferido para a Fortaleza de Santa Cruz, no Rio de Janeiro.

Assim, o nome Farroupilha não se originou do fato dos revolucionários andarem em farrapos - conforme hoje se veicula, erradamente - mas já existia alguns anos antes de eclodir a revolução. Por outro lado a influência dos maçons Zambeccari, Rossetti e Garibaldi, se não foram decisivas foram predominantes para formar o "espírito revolucionário" necessário para que a revolta libertária tomasse um caráter revolucionário e separatista.

A REVOLUÇÃO

Em 15 de julho de 1836, os imperiais retomam a cidade de Porto Alegre, ocasião em que foram presos Marciano Ribeiro, Pedro Boticário e mais 32 revoltosos. Bento Gonçalves tentou recuperar a cidade duas semanas depois, mas foi derrotado. Entre 1836 e 1840, Porto Alegre sofreu 1283 dias de cerco - um dos maiores da História - sem que os farroupilhas conseguissem tomar a cidade.

Em 9 de setembro de 1836 ocorreu o combate de Seival, nos campos dos Menezes, localidade perto de Bagé. Naquela ocasião, os farroupilhas, liderados por Antonio de Souza Netto, derrotaram fragorosamente as tropas de João da Silva Tavares. Naquele momento, a revolução ainda detinha um caráter estritamente regional. Mas, entusiasmados com o feito, os revolucionários, apesar da ausência de Bento Gonçalves, decidiram proclamar a República Riograndense, o que foi feito no dia seguinte, 11 de setembro. A primeira sede do governo foi em Piratini - por isto, também foi apelidada de República de Piratini. A capital da República foi mudada mais duas vezes: para Caçapava do Sul, em 1939 e para Alegrete, em julho de 1842.

Em outubro de 1836, Bento Gonçalves foi preso na Batalha de Fanfa. Transferido para a Bahia, ficou preso no Forte do Mar. Mesmo preso, foi aclamado Presidente da República Riograndense no dia 6 de dezembro de 1836. Conseguiu fugir, com a ajuda dos maçons baianos, e em 16 de dezembro de 1837 voltou para o Rio Grande do Sul e tomou posse do Governo.

Foi uma guerra de guerrilhas. Poucas vezes houve confronto direto entre dois exércitos, porque os farroupilhas sabiam que não poderiam enfrentar em campo aberto as forças muitas vezes superiores do Império. A tática de fustigar e recuar foi a mais empregada, provocando desgaste e constante apreensão no inimigo que nunca sabia o momento em que poderia ser atacado. Ocorreram 118 confrontos entre os farrapos e os imperialistas, com 59 vitórias para cada lado. A estimativa é de que morreram 3.400 homens.

Embora tenha durado dez anos, os combates ocorriam geralmente no verão ou primavera. No tempo frio, os combatentes se recolhiam nas fazendas dos caudilhos, cuidava-se do gado e da cavalhada. Mas não havia desmobilização - o inverno era o período de recrutamento e organização. Período ideal para planejamentos e para os negócios. Durante a revolução, os chefes farroupilhas compravam armas, munições e víveres através dos seus contatos nos países do Prata.

Para isso era necessário dinheiro, porque a revolução não poderia ser financiada apenas pelos estancieiros ricos, porque, se fosse assim, em pouco tempo os recursos estariam exauridos e a guerra perdida. Foi então que entrou em cena Irineu Evangelista de Souza, o barão e visconde de Mauá. Natural de Arroio Grande, RS, Mauá também era maçom e muitas vezes ajudou a libertar, com o seu dinheiro, líderes farroupilhas que estavam presos na capital do Império.Há indícios de que Mauá coordenou a capitalização da revolução através de seus contatos na Inglaterra. No Brasil, ele representava a firma Carruthers, Castro e Cia., de Manchester - da qual tornou-se gerente e depois sócio.

A revolução tomou novo ímpeto com a vinda de Giuseppe Garibaldi e de Luigi Rosseti, da Itália. Ambos carbonários e maçons. Eram exímios guerrilheiros. Garibaldi tinha fugido da Itália, depois do fracasso do levante liderado por Mazzini. Condenado à morte, em 1835, fugiu para Marselha e depois para a Tunísia. Em 1839 veio para o Brasil e juntou-se à revolução.

Com Garibaldi, a revolução teve o seu período romântico. Organizou-se uma pequena frota, na tentativa de combater pelo mar, o que apenas deu a oportunidade ao Império de bloquear o acesso à Lagoa dos Patos e ao oceano. Para romper o cerco, Garibaldi mandou construir dois enormes lanchões numa fazenda do atual município de Camaquã (que dista cerca de 125 km de Porto Alegre), que foram arrastados entre o atual município de Palmares do Sul e a foz do Rio Tramandaí (no atual município de Tramandaí) sobre carreta de 8 rodas, por cerca de 200 bois.
Em Araranguá, no Estado de Santa Catarina, o lanchão Rio Pardo naufragou; todavia, seguiram em frente com o lanchão Seival, comandado pelo estadunidense John Griggs. Em Laguna, as tropas de Garibaldi e de David Canabarro obtiveram grande vitória e anexaram a Província, em 29/07/1839, denominando-a República Juliana.
Foi naquela ocasião que Garibaldi conheceu Ana Maria de Jesus Ribeiro, com quem veio a casar-se e que ficou conhecida como Anita Garibaldi e que o acompanhou em suas lutas - tanto no Brasil, como no Uruguai e, depois, na guerra da unificação italiana.
Na batalha de Curitibanos, no início de 1840, Anita foi feita prisioneira, mas o comandante do exército imperial, admirado com o seu temperamento indômito, deixou-se convencer a deixá-la procurar o cadáver do marido, supostamente morto na batalha. Em um instante de distração dos guardas, tomou um cavalo e fugiu. Após atravessar a nado com o cavalo o rio Pelotas, chegou ao Rio Grande do Sul, e encontrou-se com Garibaldi em Vacaria.
Em 16 de setembro de 1840 nasceu o primeiro filho do casal, que recebeu o nome de Menotti Garibaldi, em homenagem ao patriota italiano Ciro Menotti. Depois de poucos dias, o exército imperial cercou a casa e Anita fugiu a cavalo com o recém-nascido nos braços e alcançou o bosque onde ficou deitada por quatro dias, até que Garibaldi a encontrou.

Os imperiais retomaram Laguna em 15/11/1839. Em 1842, Bento Gonçalves dispensou Garibaldi, que foi para o Uruguai, lutar contra Rosas. O jornalista Luigi Rossetti, que editava o jornal farroupilha "O Povo", tinha morrido no combate de Viamão, em 1840, com o posto de capitão.

Apesar dos inúmeros combates - mais escaramuças que combates - nenhuma grande batalha ocorreu. Durante aqueles quase dez anos de guerra houve um jogo tático entre os comandantes dos dois exércitos. Mas três grandes combates foram quase decisivos. A tentativa de tomada de São José do Norte pelos farroupilhas, quando não houve vitória, mas muito derramamento de sangue; a tomada de Caçapava pelos legalistas, que também foi cruenta, e o combate de Taquari, quando tropas de Bento Gonçalves enfrentaram as tropas legalistas, mas foram obrigadas a recuar.

A guerra não se decidia e as tropas farroupilhas, apesar dos feitos heróicos, estavam exauridas. Foi quando assumiu o governo da Província o maçom Luiz Alves de Lima e Silva - Barão de Caxias.

AS TRAIÇÕES E O MASSACRE DE PORONGOS

["] Regule V. S. suas marchas de maneira que no dia 14, às duas horas da madrugada possa atacar as forças a mando de Canabarro, que estará nesse dia no Serro dos Porongos. ["] No conflito poupe o sangue brasileiro o quanto puder, particularmente da gente branca da Província ou índios, pois bem sabe que essa pobre gente ainda nos pode ser útil no futuro. ["] Não receia a infantaria inimiga, pois ela há de receber ordem de um ministro de seu general-em-chefe para entregar o cartuchame sob o pretexto de desconfiarem dela. Se Canabarro ou Lucas forem prisioneiros deve dar-lhes escápula de maneira que ninguém possa nem levemente desconfiar ["]

Assinado por Luiz Alves de Lima e Silva, o então Barão de Caxias.

(Contestado por muitos defensores de Canabarro, o documento escrito por Duque de Caxias para o coronel Francisco Pedro de Abreu, o Moringue, em 9 de novembro de 1844 foi publicado em 1950 pela editora oficial do Exército, sob ordens do então Ministro da Guerra, General Canrobert Pereira da Costa, junto com outros documentos do Duque de Caxias. O documento apresentado, inclusive com a devida assinatura de Caxias, é reconhecido como autêntico pelo Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul.)

Os ideais dos farroupilhas não foram além da luta pela igualdade de direitos entre duas oligarquias monopolistas. A que centralizava o poder no país - o Império - e os representantes das classes dominantes gaúchas, principalmente latifundiários e profissionais liberais. Não foi uma luta para a melhoria das relações sociais ou, mesmo, uma luta de classes onde o povo teria reivindicado uma reestruturação da sociedade.

Ao contrário. O povo foi enganado com idéias libertárias vagas, como "direito dos cidadãos" e "luta contra o Império", que foi demonizado. Mas os verdadeiros direitos que os chefes farroupilhas buscavam eram os seus direitos de classe possuidora dos meios de produção: o poder político.
Mas, no decorrer da revolução e para atrair adeptos e tornar simpática a sua causa, os farroupilhas lançaram os ideais de Liberdade, Igualdade e Humanidade. Palavras que, na prática, eram nulas, porque aquela era uma sociedade opressora e escravocrata. Percebendo isso, os revolucionários prometeram a libertação dos escravos e maior igualdade social.

Para que isso se concretizasse e adotasse ares de verdade, e também para fortalecer as forças farroupilhas, foram criados os corpos de Lanceiros Negros. Foram dois corpos de lanceiros constituídos, basicamente, de negros livres ou de libertos pela República Rio-Grandense que lutaram na Revolução Farroupilha. Possuíam 8 companhias de 51 homens cada, totalizando 426 lanceiros .
Os Corpos de Lanceiros Negros eram integrados por negros livres ou libertados pela Revolução e, após, pela República - com a condição de lutarem como soldados pela causa. Eram recrutados, principalmente, entre os negros campeiros, domadores e tropeiros das charqueadas, e, apesar de lhes ser prometida a liberdade em caso de vitória da revolução, formavam corpos de combatentes separados dos brancos. A sua única e verdadeira liberdade era a de lutar pela causa dos brancos.
Foram os responsáveis pelas principais vitórias dos farroupilhas, como a de 11 de setembro de 1936 e a da vitória de Laguna, em 1939.

Com a vinda de Caxias como Presidente de Província, em novembro de 1842 começou a estratégia de estrangulamento da economia dos revolucionários. Para isso contou não só com os seu inexperientes 12.000 soldados como, principalmente com a adesão do eterno traidor Bento Manuel Ribeiro.
Bento Manuel Ribeiro começou ao lado da Revolução, passou a apoiar o Império, voltou para a Revolução e terminou defendendo o Império e ajudando Caxias. Era a época dos caudilhos, que tinham as suas próprias tropas e Bento Manuel era considerado o fiel da balança. Com o seu apoio, Caxias atacou as cidades de fronteira, evitando o escoamento de charque para Montevidéu e Laguna e comprando cavalos para impedir que os Farrapos tivessem montaria. Mesmo assim, não conseguiu uma vitória decisiva, porque os farroupilhas - com cerca de 4.000 soldados - preferiam escolher o seu próprio campo de batalha e evitavam o confronto direto. Quando perseguidos, os revolucionários se refugiavam no Uruguai. Era a guerra de guerrilhas.
Ainda assim, os farroupilhas, atacando São Gabriel em 10 de abril de 1843 e, em 26 do mesmo mês, destroçaram Bento Manuel em Ponche Verde. Mas Bento Manuel escapou, para se tornar, depois, marechal do exército imperial. Foi a última vitória dos farrapos.

Em dezembro de 1842 reuniu-se em Alegrete a Assembléia Constituinte, sob forte discussão política. Era forte a oposição a Bento Gonçalves. Durante 1843 e 1844, sucederam-se brigas entre os farrapos. Numa destas, o líder oposicionista Antônio Paulo da Fontoura foi assassinado. Onofre Pires acusou Bento Gonçalves de ser o mandante. Este respondeu com o desafio a um duelo. Neste duelo (28 de fevereiro de 1844) Onofre é ferido e faleceu dias depois. Ainda em 1844, Bento Gonçalves iniciou conversações de paz, mas retirou-se por discordar de Caxias em pontos fundamentais, assumindo o seu lugar David Canabarro.

As tratativas estavam em andamento quando surgiu um grande problema: o Império não aceitava a libertação dos negros. Algo tinha que ser feito nesse sentido para que a paz pudesse ser assinada. A questão dos escravos era o único ponto que ainda barrava a assinatura da paz entre os grandes donos de terras que articularam a Revolução Farroupilha e as forças do governo.

Em 9 de novembro de 1844 Caxias escreveu o documento acima (grifado) para Francisco Pedro de Abreu, o Moringue, indicando lugar e hora para o ataque aos Lanceiros Negros que estariam desarmados pelo próprio David Canabarro. Em 14 de novembro houve o massacre. Durante a tarde, Canabarro os desarmou deixando apenas as lanças e espadas - e foi passear com o seu estado-maior em uma fazenda próxima.

À noite, Moringue atacou, matando mais de cem negros e alguns brancos. Os que escaparam foram "remanejados" para o exército imperial, após a revolução. Muitos foram vendidos como escravos no Rio de Janeiro. Cerca de 40 ex-Lanceiros Negros foram para a fazenda do general Netto, no Uruguai, como escravos. As famílias dos que combateram pelos estancieiros continuaram escravas. Os poucos negros que conseguiram escapar ao massacre formaram pequenos grupos quilombolas.

O Império precisava da paz devido à ameaça de Rosas e à já prevista Guerra contra o Paraguai - ocasião e que Caxias ficou tristemente famoso. Sua fama de carniceiro é bem conhecida, o povo paraguaio que o diga. Na guerra travada contra o Paraguai, entre 1864 e 1870, ele lá esteve liderando o genocídio de 76% dos habitantes daquele país - conforme os estudos de Júlio José Chiavenato, publicados em livros que ficaram famosos anos atrás.
Porém, ainda persiste o mito criado pelas classes dominantes brasileiras e suas Forças Armadas de que Caxias seria "magnânimo na vitória", apesar das evidências no Paraguai e do massacre de Porongos. O general Netto também lutou naquela guerra. Foi quando, definitivamente, perdeu a sua alma.


Segundo vários historiadores, a famosa "Paz de Ponche Verde" foi uma paz comprada. Ninguém foi punido. Ao contrário, os chefes farroupilhas receberam indenizações do governo. Muitos compraram terras com as indenizações. Os oficiais republicanos passaram a pertencer ao exército imperial, com o mesmo posto angariado na revolução. As dívidas de guerra foram pagas pelo Império. Os ex-revolucionários puderam, finalmente, indicar o Presidente da Província ao seu gosto.
  Web site: fausto-diogenes.blogspot.com  Autor:   Fausto Brignol


  Mais notícias da seção Cultura no caderno HISTÓRIA
14/08/2013 - Cultura - A LENDA DA LAGOA DA MÚSICA
A degola, se de fato aconteceu, é atribuída a uma única pessoa: Adão Latorre, que era negro. Até hoje, em relatos e canções que aumentam a ficção, a cor da pele de Adão Latorre é salientada como fator subliminar que reforça o preconceito de cor, como se o fato de ser negro fizesse do degolador uma pessoa extremamente má. Não se diz: "Adão Latorre d...
03/05/2012 - Cultura - 1893, A REVOLUÇÃO ESQUECIDA - FAUSTO BRIGNOL
A revolução federalista de 1893 é uma revolução esquecida. No Rio Grande do Sul fala-se muito sobre a Revolução Farroupilha e muito pouco sobre a epopéia dos maragatos. Quando se escreve alguma coisa sobre aquele momento da nossa História é somente para lembrar as degolas e assassinatos, algumas vezes exagerados ou mentirosos. Fala-se nos chefes, p...
21/02/2012 - Cultura - SOFRENDO OS DRAMAS DA ALTITUDE - URDA ALICE KLUEGER
"Tão logo passamos a subir o frio se fez sentir, e toda aquela roupa de couro e de lã parecia pouca para o clima. Eu mascava as folhas de coca e respirava profundamente, decidida a ficar todo o tempo em cima daquela moto, mas era como se as coisas fossem se enevoando, e a todo o momento tinha que piscar forte para distinguir bem a paisagem. Naquela...
03/01/2012 - Cultura - O CALDEIRÃO QUE O DIABO ABOMINOU - por FERNANDO SOARES CAMPOS
"Há pouco mais de cem anos, bem no final do século XIX, ocorreu a Guerra de Canudos, quando, depois de algumas tentativas, finalmente tropas federais destruíram uma comunidade no interior da Bahia, matando seu líder, o beato Antônio Conselheiro, e milhares de resistentes, restando apenas alguns poucos idosos, mulheres e crianças."...
03/01/2012 - Cultura - ENTRANDO NO CHILE - por URDA ALICE KLUEGER, escritora.
(Excerto do livro "Viagem ao Umbigo do Mundo", publicado em 2006). Urda, amante das coisas latinas, nos dá a sua especialíssima visão sobre o Chile....
03/01/2012 - Cultura - A REVOLUÇÃO DOS CRAVOS - por JOSÉ SOLÁ, escritor português.
Antes existia País, feito de coisa pouca. Terra de gente vencida, conformada, feita de saberes tristes e de fomes pequenas. No Alentejo, na pequena cidade de Moura, os ganhões, (trabalhadores agrícolas contratados à jorna), sentavam-se no chão encostados à empena do mercado Municipal, porque corpo deitado aguenta melhor a fome.(...) Na madrugada té...
10/12/2011 - Cultura - CABO ANSELMO E OUTROS TRAIDORES
Um traidor é um traidor e não há desculpas para um traidor. Um traidor não tem caráter, ideologia, sensibilidade, religião, amor, decência. Há sinônimo para traidor? Um traidor é um traidor. Redundantemente traidor. É alguém que leva à morte e à tortura muitas pessoas que nele confiavam e que não deve ser morto, executado, assassinado por ser traid...
02/11/2011 - Cultura - MATARAM KADHAFI - Fausto Brignol
"Kafhafi escreveu o "Livro Verde", que propunha uma terceira via entre o capitalismo e o comunismo. Uma terceira via que passava, inevitavelmente, pelo nacionalismo. E o nacionalismo é o maior entrave para que o império se expanda e domine a todos, transformando-os em conformados robôs. Porque o nacionalismo diz, simplesmente, que você deve ter amo...
01/10/2011 - Cultura - A CONQUISTA DO PARALELO 33
Tunísia e Egito foram conquistados facilmente, locais onde os governos foram trocados para que o principal entrave do norte da África " a Líbia " pudesse ser infiltrado em uma penetração em forma de cunha " através do Leste e do Oeste do país - por mercenários fortemente armados, que apelidaram de "rebeldes". Como isso não foi o suficiente, as forç...
11/08/2011 - Cultura - GOLPISMO - Fausto Brignol
"Há quem chame isso de golpismo, mas eu prefiro chamar de servilismo, porque golpes militares foram vários na história da nossa triste república, sendo que o mais cristalizado e acadêmico foi o de 1964, que teve como principal objetivo instituir a adoração do futebol pelo nosso humilhado e inconsciente povo e, de quebra, matar, torturar e prender c...
26/03/2011 - Cultura - OLHOS NOS OLHOS: OS INTELECTUAIS SE VENDERAM? - Fausto Brignol
"Mas a Maria Bethânia, que é irmã do Caetano Veloso, que é muito amigo do Gilberto Gil (que foi Ministro da Cultura do Lula), que é muito amigo do Chico Buarque, que é irmão da atual Ministra da Cultura, Ana de Holanda... A Maria Bethânia teve um projeto para fazer um blog aprovado, via Lei Rouanet (uma lei de incentivo à cultura ou aos donos da cu...
26/10/2010 - Cultura - SOMOS TODOS FACTÓIDES?
"O verdadeiro brasileiro, se quisermos ser sinceros com a História e com nós mesmos, seria o indígena. Ou melhor, os povos indígenas que, originalmente, habitaram a terra de Pindorama, depois chamada de Brasil pelos europeus. Mas matamos todos eles. Ou quase todos. ...
26/09/2010 - Cultura - VIETNÃ (e o "desfolhante laranja") - Emanuel Medeiros Vieira
"Trinta e cinco anos depois do final da guerra e da maior derrota militar dos EUA, os efeitos da dioxina usada no desfolhante laranja continuam a afetar regiões que compreendem áreas do Vietnã, do Laos e do Camboja. Os resíduos se entranharam na terra e nas sementes das plantas , e as pessoas que as consumiram e consomem, transmitiram e transmitem ...
12/09/2010 - Cultura - O LADO OCULTO DOS ATENTADOS DE 11 DE SETEMBRO DE 2001 - Fausto Brignol
"O imponderável, a incerteza. Qual o grau de certeza de que determinadas pessoas farão determinadas coisas - a um dado e específico momento - atingindo o resultado esperado? Mesmo os seres mais racionais também são emocionais. Emoções que podem levá-los a oscilar em suas certezas. Razão e emoção. São as emoções que não nos deixam ser fanaticamente ...
07/09/2010 - Cultura - A INDEPENDÊNCIA DELES
"Se a História do Brasil é, como eles mesmos dizem, ditada pelas Lojas maçônicas, para que serve o Congresso Nacional? Talvez apenas para referendar o que já foi decidido "ocultamente" entre os verdadeiros donos do poder. Neste caso, o voto dos profanos, como eu, e de tantos milhões de brasileiros - ai de nós! - que também são profanos - e principa...
02/09/2010 - Cultura - NA TERRA DO MINOTAURO - Elaine Tavares
"Até 1890, os palácios do rei Minos eram considerados frutos da imaginação dos contadores de história. ...
13/08/2010 - Cultura - SEXTA-FEIRA 13
Os Estados Unidos foram fundados por 13 colônias. Na cédula de 1 dólar estadunidense aparece o "Olho Que Tudo Vê". A iconografia mostra no reverso da cédula uma pirâmide composta por 13 degraus. Acima da pirâmide e do "Olho", vê-se a frase "ANNUIT COEPTIS", que tem 13 letras e que significa: (Ele) aprova (nosso) começo. Na mesma cédula aparece uma ...
12/08/2010 - Cultura - O FASCISMO SE EXPANDE NA EUROPA - Jaime Richart
"O fascismo é uma ideologia sem sutilezas, seguida por indivíduos capazes de impor com uma mescla de astúcia, temeridade e violência moral e material, o domínio da força bruta. Suas armas são a cilada, a mentira, a tergiversação e o crime impossível de esclarecer. Porém, a mídia e os próprios políticos, para seu uso, preferem chamá-lo de extrema-di...
31/07/2010 - Cultura - POR QUÊ A VENEZUELA? - Ángel Guerra Cabrera
"Que a Venezuela, país com reservas de petróleo e gás entre as maiores do mundo, tenha um rumo independente em direção ao socialismo, promova a democracia participativa, a unidade e a integração da América Latina, a solidariedade, a paz e a cooperação entre os povos é intolerável para o império. . Principalmente, quando movido por sua sede insaciáv...
26/07/2010 - Cultura - A GRÉCIA, A CRISE E A DESCONEXÃO - Elaine Tavares
"Quando desci no aeroporto de Atenas/Grécia, na calorenta manhã do dia sete de julho de 2010, já sabia que aquele país e a América Latina tinham ligações muito estreitas. Afinal, fora nele que se inspirara o libertador Simón Bolívar quando, em 1824, chamou o famoso Congresso Anfictiônico do Panamá, com o propósito de criar um grande bloco que unifi...
16/07/2010 - Cultura - MAIS UM CAPÍTULO DO HOLOCAUSTO PALESTINO - Enrique F. Chiappa
"Em dezembro de 2008 o jornalista espanhol Alberto Arce se dirigia para a Faixa de Gaza a fim de filmar a dramática rotina ali vivida. Mas, pouco antes da sua chegada, Israel proibiu a entrada de organizações de ajuda humanitária e da imprensa estrangeira. Era evidente a iminência de uma grande ofensiva."...
08/07/2010 - Cultura - NOVO AVISTAMENTO DE ORCS
"O que se soube depois - e não foi surpreendente, mas assustador - é que além das imensas hordas de Orcs do império de Bar-Homabam, armadas com dispositivos bélicos de alta destruição, a elas se juntariam, já no Mar Cáspio, tropas de elite do temível exército d"Os Escolhidos. É sabido - também por fontes dignas de fé - que aquele povo desenvolveu u...
30/06/2010 - Cultura - A POBREZA DO AFEGANISTÃO - Antonio Peredo Leigue
"Mapas geológicos, que os cientistas afegãos esconderam durante quase três décadas, apareceram agora quase por milagre, para dizer ao mundo que aquele maltratado país, vítima de uma guerra sem interrupções contra estes e outros invasores, está cheio de riquezas. Os talibãs não sabiam, como também não o souberam os regimes anteriores - quanta inocên...
25/06/2010 - Cultura - A INTERNACIONALIZAÇÃO DO MUNDO - senador Cristóvam Buarque
"Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil."...
20/06/2010 - Cultura - SARAMAGO, A HISTÓRIA DE PORTUGAL PELO OLHAR DO OPRIMIDO - Beatriz Helena*
"À literatura, conquanto arte, não podem ser atribuídos usos e funções, mas a grande literatura dialoga com questões presentes em nossas vidas através dos tempos. Na obra de Saramago temos a história de Portugal, do ponto de vista do povo oprimido, reflexões profundas acerca de quem somos, em geral e em particular e a beleza de frases simples, como...
14/06/2010 - Cultura - CAPITALISMO. UMA REALIDADE IMPOSTA - Edgar Borges*
"O capitalismo semeou a dúvida na palavra, na idéia (ninguém acredita no que o outro diz) e consolidou o seu funcionamento como se fosse um absolutismo celestial. A sua fé é movida pelo dinheiro (e a sobrevivência que a dificuldade de consegui-lo impõe). O destino é uma estrutura invisível, manejada pelos sócios anônimos, que dividem, segundo a seg...
04/06/2010 - Cultura - O DIVÓRCIO ENTRE O PODER E O CIDADÃO - Jaime Richart
"Que Israel se arrogue o direito a ter armamento atômico e o Conselho de Segurança negue esse mesmo direito ao Irã é uma provocação e um insulto à inteligência média dos cidadãos do mundo. Pois, pode o cidadão comum entender e aceitar, sem rechaçar, tamanha arbitrariedade?"...
04/06/2010 - Cultura - POVO PALESTINO: 60 ANOS DE ESCRAVIDÃO - Urda Alice Klueger
"PODEMOS DIZER QUE UM GENOCÍDIO ÉTNICO ESTÁ ACONTECENDO NA PALESTINA, sob as vistas de todo o mundo, e com o apoio técnico e militar dos Estados Unidos, que financia o Estado de Israel com verbas a fundo perdido, já que os EUA muito precisam de um aliado fiel naquela parte do mundo, ponta de lança existente entre o mar de petróleo dos países circun...
02/06/2010 - Cultura - AS MENSAGENS DO IMPÉRIO - Andrés Sal.lari
"Para este império enfermo, que nos adoece a todos com o seu quase perfeito arsenal cultural, mais ameaçador e perigoso é a assinatura de um acordo político do que um ataque militar contra um grupo de pacifistas armados com sacolas de plástico e 10 mil toneladas de ajuda humanitária."...
27/05/2010 - Cultura - THE GUARDIAN REVELA QUE ISRAEL TEM ARMAS NUCLEARES - Ernesto Carmona
"Enquanto a atenção está centrada na África do Sul, devido ao Mundial de Futebol, o diário britânico The Guardain, revelou, domingo, 23 de maio, como Israel ofereceu a venda de oito ogivas nucleares - em 1975 - ao regime do apartheid. O periódico tornou público um documento secreto sul-africano que tem a assinatura do então Ministro da Defesa israe...



Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES
Busca em

  
655 Notícias