| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

DIÓGENES
Desde: 15/07/2005      Publicadas: 655      Atualização: 10/01/2016

Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES


 HISTÓRIA
  21/02/2012
  0 comentário(s)


SOFRENDO OS DRAMAS DA ALTITUDE - URDA ALICE KLUEGER
"Tão logo passamos a subir o frio se fez sentir, e toda aquela roupa de couro e de lã parecia pouca para o clima. Eu mascava as folhas de coca e respirava profundamente, decidida a ficar todo o tempo em cima daquela moto, mas era como se as coisas fossem se enevoando, e a todo o momento tinha que piscar forte para distinguir bem a paisagem. Naquela altitude o consumo de gasolina das motos carburadas aumentava muito, e penso que antes de 200 km de distância, quando atingimos o povoado de Imata, que estava a 4.172 metros de altitude (e, portanto, a uma altitude superior a La Paz), já estava sendo necessário o abastecimento."
SOFRENDO OS DRAMAS DA ALTITUDE - URDA ALICE KLUEGER(Excertos do livro "Viagem ao Umbigo do Mundo", publicado em 2006)



A ordem, para a manhã seguinte, era a de usar toda a roupa quente " Arequipa estava a mais de 2.300 metros de altitude, mas dali subiríamos abruptamente para altitudes bem maiores.

Cheia de roupas de lã e usando os apetrechos de couro da Dona Rose, partimos para uma imediata subida tão logo saímos do meio dos três vulcões daquela cidade tão simpática. Eu tomara uma decisão, naquele dia: iria fazer como os PHD, resistir à altitude, continuar a viagem de moto por mais alto que estivéssemos, não me deixar ficar como morta no carro de apoio como acontecia a cada vez que subíamos muito. Jaka já estava mascando folhas de coca, e eu tratei de passar a mascá-las também, com a técnica que havia aprendido anos antes, quando fora a Chacaltaia, na Bolívia, e quase não suportara os 5.300 m de altitude de lá. Tinha refletido sobre o assunto, e como via os motociclistas resistirem às altitudes maiores sem perderem o pique, como eu perdia, estava a achar que o ar fresco, a obrigatoriedade de ficar respirando o vento deveria lhes dar quantidades maiores de oxigênio, o que lhes permitia a resistência. Se eles podiam, eu também poderia. E fui direto para a garupa do seu Chico.

Tão logo passamos a subir o frio se fez sentir, e toda aquela roupa de couro e de lã parecia pouca para o clima. Eu mascava as folhas de coca e respirava profundamente, decidida a ficar todo o tempo em cima daquela moto, mas era como se as coisas fossem se enevoando, e a todo o momento tinha que piscar forte para distinguir bem a paisagem. Naquela altitude o consumo de gasolina das motos carburadas aumentava muito, e penso que antes de 200 km de distância, quando atingimos o povoado de Imata, que estava a 4.172 metros de altitude (e, portanto, a uma altitude superior a La Paz), já estava sendo necessário o abastecimento.

Aquele era um lugar perdido quase que no meio das nuvens, pequeno e pobre, onde sequer havia posto de gasolina, e quem vendia a nafta eram pessoas comuns, que escreviam nas paredes das casas que tinham gasolina para vender, e a guardavam em galões, nas suas salas, nos mesmos lugares onde havia crianças brincando, etc. Quando alguém comprava gasolina, a dona da casa trazia-a num balde, e a derramava no tanque do veículo através de um funil. Os motociclistas sabiam que se faziam misturas na gasolina, por ali, e quando paramos numa dessas casinhas para fazer o abastecimento, seu Chico me pediu para usar meu pobre espanhol e dizer para a mulher que não importava quanto custasse a gasolina, mas que ele a queria sem mistura. Lembro que desci da moto como que dentro de uma névoa, e lembro-me como me via como um filme em câmara lenta dizendo para a mulher:

- Senõra, sem mezcla! Sem mezcla!

Atravessamos aquele povoado com as motos abastecidas e seguimos adiante. A estrada era boa, asfaltada, e eu estava quase dormindo em cima da moto. Nossa formação continuava, mas lá pelas tantas vi seu Chico observando com muito cuidado a região onde passávamos, e em determinado momento ele saiu da formação militar e parou sua moto. No meio do nada, havia minúscula casinha de adobe, e foi para lá que o seu Chico se dirigiu, levando fotos e outros brindes, como camisetas, etc. Quase dormindo, eu fiquei aprumada na moto parada, até que o seu Chico voltou e me contou: um dia estava ali naquele lugar, quando escurecera.

Vale aqui abrir um parágrafo para contar o que acontecera ao seu Chico e seus companheiros naquela ocasião.

Alguém lhes dera informações erradas em Arequipa, dizendo que atingiriam Juliaca em duas horas, e, desconhecendo a estrada, eles tinham seguido viagem já no final da tarde. A noite os pegou naquele ponto no meio do nada, numa temperatura de seis graus negativos e naquela altitude superior a 4.000 metros. Eles eram em quatro: os PHD Chico, Dov, Della e Evangelista, e há que se dizer que o PHD Della (Della Giustina) estava com uma forte insuficiência respiratória, enquanto que o PHD Dov estava com uma costela partida " e parece que todos estavam destinados à morte pelo frio, ali naquela altitude congelante. Por sorte encontraram a polícia peruana, que os ajudou a chegar àquele lugar, pequenina casa de adobe que funcionava como uma casa de refeições, e era conhecida como uma casa de desayuno[1], se bem que servisse refeições por todo o dia e também à noite. Conta o PHD Chico que a comida do dasayuno, limitava-se a chá de coca[2] e um prato de água fervida com batatas e milho, à guisa de sopa de galinha.

Salvos pelo gongo de uma morte quase certa, nossos heróis conseguiram enfiar as motos na casinha de adobe, na metade da casinha que lhes coube, e que era onde funcionava o desayuno, e ficaram a tomar chá de coca e a tremer de frio, até ganharem quatro pelegos de lhama, que estenderam no chão para dormir em cima. Vieram também umas poucas mantas de pelo de lhama, mas tudo era insuficiente para aquele frio de menos seis graus Centígrados " e seu Chico conta que eles se amontoaram como uma ninhada de cachorrinhos, uns encostados nos outros, para tentarem se aquecer. Havia uma vela acesa, e o Dov era quem estava mais perto dela, mas ele estava tão sem forças, pela costela quebrada e pela exaustão do frio e da altitude, que não conseguia soprar o suficiente para apagá-la. Acho importante contar tal coisa para que os leitores saibam o quanto pode a altitude nos fazer mal

Sei que eles acabaram apagando a vela e, amontoados como cachorros, tentaram dormir. Há uma pitada de engraçado naquela noite, que foi quando, de madrugada, todos eles se acordaram com as bexigas cheias, depois de todo o chá de coca tomado, e descobriram que estavam trancados a cadeado naquele minúsculo espaço. Precisavam fazer xixi, no entanto. A única solução à vista era uma banheirinha de bebê, muito pequena, que conheci através de fotos, e que dormia ali por perto. Usaram-na, e tentaram atravessar o resto da noite fria amontoados nos pelegos.

Assim que clareou, o dono do desayuno veio abrir o cadeado, e então o PHD Evangelista apressou-se a despejar lá fora o conteúdo da banheirinha de plástico. Instantes depois, as duas mocinhas, filhas da casa, apareceram naquele aposento atrás da banheirinha, que era onde costumavam fazer sua higiene matinal. E quietos e calados os PHD ficarem observando as duas mocinhas despejarem uma caneca d"água na banheirinha, e naquela água lavarem seus rostos, sem nem desconfiarem do acontecido durante a noite. Foi entre sério e surpreso que o seu Chico contou-me essa história " penso que eles estavam agradecidos, sobretudo, por não terem morrido. Devem ter tomado mais chá de coca e mais a tal sopa que ali se servia, antes de tentarem voltar à estrada, porque não foi fácil: o PHD Della estava absolutamente sem pernas. Tiveram que carregá-lo e à sua moto, e no asfalto botaram a moto em pé e o montaram nela, e saíram viajando num trio, com dois deles segurando entre si o PHD Della, totalmente baleado pela altitude. Sei que sobreviveram para contar. Na minha primeira subida aos Andes, em 1993, houve momentos em que tive sérias dúvidas se sobreviveria para contar ou não, e acabei escrevendo um livro sobre o assunto. Não se brinca com a altitude.

Desde então, a cada vez que passava por lá, seu Chico fazia uma pequena visita àquela gente e lhe levava algumas coisas. Achei bonita aquela atitude, mas estava quase dormindo e nem conseguia mais expressar o que sentia. Voltei a subir na moto e tentar respirar fundo, mas já não tinha mais forças. Sei que dormi pois acordei " e agora eu pergunto: como é que um caroneiro descobre que dormiu sobre uma moto? Descobre porque seu capacete bate no capacete do piloto da moto, e ele é acordado por aquele POC que acontece!

[1] Desayuno = desjejum, ou café-da-manhã. (Nota da autora)

[2] Em algum momento acho que devo fazer um esclarecimento, já que o assunto costuma confundir muitas pessoas: a coca (mascada ou em chá) não é cocaína, assim como a uva não é vinho. (Nota da autora)





Urda Alice Klueger

Escritora, historiadora e doutoranda em Geografia pela UFPR


  Mais notícias da seção Cultura no caderno HISTÓRIA
14/08/2013 - Cultura - A LENDA DA LAGOA DA MÚSICA
A degola, se de fato aconteceu, é atribuída a uma única pessoa: Adão Latorre, que era negro. Até hoje, em relatos e canções que aumentam a ficção, a cor da pele de Adão Latorre é salientada como fator subliminar que reforça o preconceito de cor, como se o fato de ser negro fizesse do degolador uma pessoa extremamente má. Não se diz: "Adão Latorre d...
03/05/2012 - Cultura - 1893, A REVOLUÇÃO ESQUECIDA - FAUSTO BRIGNOL
A revolução federalista de 1893 é uma revolução esquecida. No Rio Grande do Sul fala-se muito sobre a Revolução Farroupilha e muito pouco sobre a epopéia dos maragatos. Quando se escreve alguma coisa sobre aquele momento da nossa História é somente para lembrar as degolas e assassinatos, algumas vezes exagerados ou mentirosos. Fala-se nos chefes, p...
03/01/2012 - Cultura - O CALDEIRÃO QUE O DIABO ABOMINOU - por FERNANDO SOARES CAMPOS
"Há pouco mais de cem anos, bem no final do século XIX, ocorreu a Guerra de Canudos, quando, depois de algumas tentativas, finalmente tropas federais destruíram uma comunidade no interior da Bahia, matando seu líder, o beato Antônio Conselheiro, e milhares de resistentes, restando apenas alguns poucos idosos, mulheres e crianças."...
03/01/2012 - Cultura - ENTRANDO NO CHILE - por URDA ALICE KLUEGER, escritora.
(Excerto do livro "Viagem ao Umbigo do Mundo", publicado em 2006). Urda, amante das coisas latinas, nos dá a sua especialíssima visão sobre o Chile....
03/01/2012 - Cultura - A REVOLUÇÃO DOS CRAVOS - por JOSÉ SOLÁ, escritor português.
Antes existia País, feito de coisa pouca. Terra de gente vencida, conformada, feita de saberes tristes e de fomes pequenas. No Alentejo, na pequena cidade de Moura, os ganhões, (trabalhadores agrícolas contratados à jorna), sentavam-se no chão encostados à empena do mercado Municipal, porque corpo deitado aguenta melhor a fome.(...) Na madrugada té...
10/12/2011 - Cultura - CABO ANSELMO E OUTROS TRAIDORES
Um traidor é um traidor e não há desculpas para um traidor. Um traidor não tem caráter, ideologia, sensibilidade, religião, amor, decência. Há sinônimo para traidor? Um traidor é um traidor. Redundantemente traidor. É alguém que leva à morte e à tortura muitas pessoas que nele confiavam e que não deve ser morto, executado, assassinado por ser traid...
02/11/2011 - Cultura - MATARAM KADHAFI - Fausto Brignol
"Kafhafi escreveu o "Livro Verde", que propunha uma terceira via entre o capitalismo e o comunismo. Uma terceira via que passava, inevitavelmente, pelo nacionalismo. E o nacionalismo é o maior entrave para que o império se expanda e domine a todos, transformando-os em conformados robôs. Porque o nacionalismo diz, simplesmente, que você deve ter amo...
01/10/2011 - Cultura - A CONQUISTA DO PARALELO 33
Tunísia e Egito foram conquistados facilmente, locais onde os governos foram trocados para que o principal entrave do norte da África " a Líbia " pudesse ser infiltrado em uma penetração em forma de cunha " através do Leste e do Oeste do país - por mercenários fortemente armados, que apelidaram de "rebeldes". Como isso não foi o suficiente, as forç...
11/08/2011 - Cultura - GOLPISMO - Fausto Brignol
"Há quem chame isso de golpismo, mas eu prefiro chamar de servilismo, porque golpes militares foram vários na história da nossa triste república, sendo que o mais cristalizado e acadêmico foi o de 1964, que teve como principal objetivo instituir a adoração do futebol pelo nosso humilhado e inconsciente povo e, de quebra, matar, torturar e prender c...
26/03/2011 - Cultura - OLHOS NOS OLHOS: OS INTELECTUAIS SE VENDERAM? - Fausto Brignol
"Mas a Maria Bethânia, que é irmã do Caetano Veloso, que é muito amigo do Gilberto Gil (que foi Ministro da Cultura do Lula), que é muito amigo do Chico Buarque, que é irmão da atual Ministra da Cultura, Ana de Holanda... A Maria Bethânia teve um projeto para fazer um blog aprovado, via Lei Rouanet (uma lei de incentivo à cultura ou aos donos da cu...
26/10/2010 - Cultura - SOMOS TODOS FACTÓIDES?
"O verdadeiro brasileiro, se quisermos ser sinceros com a História e com nós mesmos, seria o indígena. Ou melhor, os povos indígenas que, originalmente, habitaram a terra de Pindorama, depois chamada de Brasil pelos europeus. Mas matamos todos eles. Ou quase todos. ...
26/09/2010 - Cultura - VIETNÃ (e o "desfolhante laranja") - Emanuel Medeiros Vieira
"Trinta e cinco anos depois do final da guerra e da maior derrota militar dos EUA, os efeitos da dioxina usada no desfolhante laranja continuam a afetar regiões que compreendem áreas do Vietnã, do Laos e do Camboja. Os resíduos se entranharam na terra e nas sementes das plantas , e as pessoas que as consumiram e consomem, transmitiram e transmitem ...
19/09/2010 - Cultura - REVOLUÇÃO FARROUPILHA: MITO E VERDADE
"Os ideais dos farroupilhas não foram além da luta pela igualdade de direitos entre duas oligarquias monopolistas. A que centralizava o poder no país - o Império - e os representantes das classes dominantes gaúchas, principalmente latifundiários e profissionais liberais. ...
12/09/2010 - Cultura - O LADO OCULTO DOS ATENTADOS DE 11 DE SETEMBRO DE 2001 - Fausto Brignol
"O imponderável, a incerteza. Qual o grau de certeza de que determinadas pessoas farão determinadas coisas - a um dado e específico momento - atingindo o resultado esperado? Mesmo os seres mais racionais também são emocionais. Emoções que podem levá-los a oscilar em suas certezas. Razão e emoção. São as emoções que não nos deixam ser fanaticamente ...
07/09/2010 - Cultura - A INDEPENDÊNCIA DELES
"Se a História do Brasil é, como eles mesmos dizem, ditada pelas Lojas maçônicas, para que serve o Congresso Nacional? Talvez apenas para referendar o que já foi decidido "ocultamente" entre os verdadeiros donos do poder. Neste caso, o voto dos profanos, como eu, e de tantos milhões de brasileiros - ai de nós! - que também são profanos - e principa...
02/09/2010 - Cultura - NA TERRA DO MINOTAURO - Elaine Tavares
"Até 1890, os palácios do rei Minos eram considerados frutos da imaginação dos contadores de história. ...
13/08/2010 - Cultura - SEXTA-FEIRA 13
Os Estados Unidos foram fundados por 13 colônias. Na cédula de 1 dólar estadunidense aparece o "Olho Que Tudo Vê". A iconografia mostra no reverso da cédula uma pirâmide composta por 13 degraus. Acima da pirâmide e do "Olho", vê-se a frase "ANNUIT COEPTIS", que tem 13 letras e que significa: (Ele) aprova (nosso) começo. Na mesma cédula aparece uma ...
12/08/2010 - Cultura - O FASCISMO SE EXPANDE NA EUROPA - Jaime Richart
"O fascismo é uma ideologia sem sutilezas, seguida por indivíduos capazes de impor com uma mescla de astúcia, temeridade e violência moral e material, o domínio da força bruta. Suas armas são a cilada, a mentira, a tergiversação e o crime impossível de esclarecer. Porém, a mídia e os próprios políticos, para seu uso, preferem chamá-lo de extrema-di...
31/07/2010 - Cultura - POR QUÊ A VENEZUELA? - Ángel Guerra Cabrera
"Que a Venezuela, país com reservas de petróleo e gás entre as maiores do mundo, tenha um rumo independente em direção ao socialismo, promova a democracia participativa, a unidade e a integração da América Latina, a solidariedade, a paz e a cooperação entre os povos é intolerável para o império. . Principalmente, quando movido por sua sede insaciáv...
26/07/2010 - Cultura - A GRÉCIA, A CRISE E A DESCONEXÃO - Elaine Tavares
"Quando desci no aeroporto de Atenas/Grécia, na calorenta manhã do dia sete de julho de 2010, já sabia que aquele país e a América Latina tinham ligações muito estreitas. Afinal, fora nele que se inspirara o libertador Simón Bolívar quando, em 1824, chamou o famoso Congresso Anfictiônico do Panamá, com o propósito de criar um grande bloco que unifi...
16/07/2010 - Cultura - MAIS UM CAPÍTULO DO HOLOCAUSTO PALESTINO - Enrique F. Chiappa
"Em dezembro de 2008 o jornalista espanhol Alberto Arce se dirigia para a Faixa de Gaza a fim de filmar a dramática rotina ali vivida. Mas, pouco antes da sua chegada, Israel proibiu a entrada de organizações de ajuda humanitária e da imprensa estrangeira. Era evidente a iminência de uma grande ofensiva."...
08/07/2010 - Cultura - NOVO AVISTAMENTO DE ORCS
"O que se soube depois - e não foi surpreendente, mas assustador - é que além das imensas hordas de Orcs do império de Bar-Homabam, armadas com dispositivos bélicos de alta destruição, a elas se juntariam, já no Mar Cáspio, tropas de elite do temível exército d"Os Escolhidos. É sabido - também por fontes dignas de fé - que aquele povo desenvolveu u...
30/06/2010 - Cultura - A POBREZA DO AFEGANISTÃO - Antonio Peredo Leigue
"Mapas geológicos, que os cientistas afegãos esconderam durante quase três décadas, apareceram agora quase por milagre, para dizer ao mundo que aquele maltratado país, vítima de uma guerra sem interrupções contra estes e outros invasores, está cheio de riquezas. Os talibãs não sabiam, como também não o souberam os regimes anteriores - quanta inocên...
25/06/2010 - Cultura - A INTERNACIONALIZAÇÃO DO MUNDO - senador Cristóvam Buarque
"Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil."...
20/06/2010 - Cultura - SARAMAGO, A HISTÓRIA DE PORTUGAL PELO OLHAR DO OPRIMIDO - Beatriz Helena*
"À literatura, conquanto arte, não podem ser atribuídos usos e funções, mas a grande literatura dialoga com questões presentes em nossas vidas através dos tempos. Na obra de Saramago temos a história de Portugal, do ponto de vista do povo oprimido, reflexões profundas acerca de quem somos, em geral e em particular e a beleza de frases simples, como...
14/06/2010 - Cultura - CAPITALISMO. UMA REALIDADE IMPOSTA - Edgar Borges*
"O capitalismo semeou a dúvida na palavra, na idéia (ninguém acredita no que o outro diz) e consolidou o seu funcionamento como se fosse um absolutismo celestial. A sua fé é movida pelo dinheiro (e a sobrevivência que a dificuldade de consegui-lo impõe). O destino é uma estrutura invisível, manejada pelos sócios anônimos, que dividem, segundo a seg...
04/06/2010 - Cultura - O DIVÓRCIO ENTRE O PODER E O CIDADÃO - Jaime Richart
"Que Israel se arrogue o direito a ter armamento atômico e o Conselho de Segurança negue esse mesmo direito ao Irã é uma provocação e um insulto à inteligência média dos cidadãos do mundo. Pois, pode o cidadão comum entender e aceitar, sem rechaçar, tamanha arbitrariedade?"...
04/06/2010 - Cultura - POVO PALESTINO: 60 ANOS DE ESCRAVIDÃO - Urda Alice Klueger
"PODEMOS DIZER QUE UM GENOCÍDIO ÉTNICO ESTÁ ACONTECENDO NA PALESTINA, sob as vistas de todo o mundo, e com o apoio técnico e militar dos Estados Unidos, que financia o Estado de Israel com verbas a fundo perdido, já que os EUA muito precisam de um aliado fiel naquela parte do mundo, ponta de lança existente entre o mar de petróleo dos países circun...
02/06/2010 - Cultura - AS MENSAGENS DO IMPÉRIO - Andrés Sal.lari
"Para este império enfermo, que nos adoece a todos com o seu quase perfeito arsenal cultural, mais ameaçador e perigoso é a assinatura de um acordo político do que um ataque militar contra um grupo de pacifistas armados com sacolas de plástico e 10 mil toneladas de ajuda humanitária."...
27/05/2010 - Cultura - THE GUARDIAN REVELA QUE ISRAEL TEM ARMAS NUCLEARES - Ernesto Carmona
"Enquanto a atenção está centrada na África do Sul, devido ao Mundial de Futebol, o diário britânico The Guardain, revelou, domingo, 23 de maio, como Israel ofereceu a venda de oito ogivas nucleares - em 1975 - ao regime do apartheid. O periódico tornou público um documento secreto sul-africano que tem a assinatura do então Ministro da Defesa israe...



Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES
Busca em

  
655 Notícias