| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

DIÓGENES
Desde: 15/07/2005      Publicadas: 655      Atualização: 10/01/2016

Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES


 OPINIÃO

  14/01/2013
  0 comentário(s)


AS MINHAS DÚVIDAS ETERNAS - JOSÉ SOLÁ

Hoje, e pela mão firme dos mesmos, somos uma nação sem qualquer futuro. Temos uma dita "Assembleia da Republica" onde a dignidade que distingue e é o timbre dos deputados da maioria, passa pela aceitação de bêbadas e, implicitamente, de bêbados, (de acordo com o principio que um "grãozinho na asa" facilita a verborreia do discurso fácil e inócuo, ao qual, e de uma forma bizarra e divertida, nada tenho a opor); roubamos quem trabalhou e muito fez pelo futuro do País, permitindo com os seus pesados descontos as reformas dos menos aptos, (ao que nada tenho a opor, ainda que tenha chegado a minha hora, e eu não veja o retorno do meu esforço), somos governados por miúdos imbecilizados saídos de juventudes partidárias onde reina tudo, menos alguma, ainda que pouca, experiência de vida), estamos ocupados por estrangeiros, que exigem-nos o pagamento de dívidas astronómicas que estas máfias politiqueiras fizeram, e, finalmente, tanto empresários honestos como trabalhadores dignos e esforçados, sentimos de igual modo o mesmo medo, o medo tenebroso de uma vida sem norte e sem rumo, pela mão de um sistema infernal e dantesco, estúpido, inconsequente e irresponsável; temos como timoneiro desta nação, onde infelizmente, e por desdita do destino, nascemos, o mesmo homem que, de há trinta anos a esta parte, impõe a sua lógica, o seu "tempero" politico, a uma terra onde apenas se vê dor e lágrimas.

AS MINHAS DÚVIDAS ETERNAS - JOSÉ SOLÁAS MINHAS DÚVIDAS ETERNAS



Afinal, (e quanto ao estado calamitoso a que chegámos, enquanto nação soberana), eu interrogo-me: "Porquê?" E, seguindo esta linha de pensamento, na ânsia de descortinar os maldosos rostos dos inimigos de Portugal, obrigo-me a interiorizar que, os verdadeiros e únicos inimigos de Portugal, afinal, são, simplesmente" os portugueses!
Não temos inimigos externos por uma única razão, entre nações soberanas não existem amizades ou inimizades, existem sim interesses, (ainda que disfarçados de comunidade económica, aparentemente solidária, e com direitos iguais para todos os seus membros, aos quais simpaticamente chamam de iguais entre si), e cada qual cuida, o melhor que sabe e pode, dos seus interesses, em conformidade com as competências intelectuais de que dispõe e soube criar; apenas isso, meus amigos e companheiros, neste eterno infortúnio, desta tão tenebrosa maldade, ou partida, (como queiram chamar-lhe), que a mãe natureza nos pregou, quando, (e quanto ao que penso), por obra do acaso, nos fez nascer em Portugal.
As nossas agruras têm origens bem definidas e, talvez, não tão complexas quanto se possa pensar; são genéticas, e assentam num individualismo exacerbado, acondicionado numa caixa que nos separa do mundo real pelo limite das nossas fronteiras, a que, com propriedade, se pode chamar "caixa da maledicência, da pequenez intelectual, da teimosia sem fundamento, e da mais profunda ignorância." Somos um Povo sem respeito pelo outro, como resultado de uma ancestral falta de educação; os direitos humanos são uma modesta tábua rasa que se mostra ao mundo vestida e engalanada de cores garridas, para, (como é uso dizer-se), "inglês ver;"e se pouco ou nada nos preocupamos com o nosso semelhante, é com plena e escancarada safadeza que, a maioria de nós, com indiferença e completa displicência, encara esta sociedade que foi o que de melhor conseguimos construir, como a coisa mais natural e normal deste pequeno mundo. "Se nós somos assim, o que havemos de fazer?"
Faz umas dezenas de anos, (para mais de trinta), quando, no meu gabinete da construção da ampliação do complexo industrial da Quimigal, ergui por momentos os olhos dos desenhos e espreitei o exterior palas vidraças da janela; a correr na frente do edifício do escritório via-se o asfalto de uma pequena circulação de serviço e, no outro lado, (dentro do perímetro da construção), reparei no corpo de um operário, dentro de uma vala, com o tronco deitado sobre a terra. Por momentos, fiquei perplexo, mas logo os muitos afazeres me fizeram mergulhar de novo no trabalho. Mais tarde, - nesse mesmo dia, - soube que o homem tinha falecido, em consequência do aluimento das terras do lado oposto da vala. Tratava-se de um velho homem com mais de setenta anos, sem reforma, (situação normal na altura), que trabalhava como trabalhador não qualificado; no dia imediato, em conversa com a direcção da obra, soube que, afinal, o crime compensa; na verdade, o valor da multa pela não entivação das superfícies verticais da vala, era francamente inferior ao custo da entivação.
A mortandade na nossa construção civil na época era, simplesmente assustadora, quer por falta de legislação adequada, quer pelo valor das coimas. Operários caiam pelas caixas dos elevadores por falta de sinalização das mesmas, caiam de andaimes por deficiência dos guarda-costas, dos baileis, por electrocussão quando as pás escavadoras rebentavam cabos de alta tensão assentes em valas, cuja localização se desconhecia. Caiam das alturas das chaminés das construções industriais. Havia de todo o tipo de sinistros que imaginar se possa; o lucro, afinal, era (e ainda é cada vez mais), protegido pela insuficiência e ausência de justiça social do sistema, pela simples razão de que compensava pagar as coimas, em detrimento da aplicação de processos e métodos de protecção, iguais ou semelhantes aos que já eram utilizados nos outros países europeus.
Portugal foi sempre um país de desigualdades consentidas pela esmagadora maioria da sua população, eternamente mergulhada na iliteracia imposta pelo Poder, ou ausente pela ignorância e desconhecimento do que significa qualidade de vida. Em vez de uma moral assente em direitos humanos, uma caridade onde a hipocrisia da sociedade se esconde.
As ferramentas são, (no meu modesto entender), a primeira das primeiras necessidades de um Povo Soberano; elas significam os meios de produção que nos põe o pão na mesa. Por ferramentas entenda-se empresas florescentes, geridas por empresários dinâmicos e inteligentes, que investigam e inovam os seus produtos de parceria com as universidades; empresários que pagam a tempo e horas os seus impostos, o que, à partida, exclui aproximadamente oitenta e cinco por cento do nosso triste mundo empresarial. É a consciência cívica dos empresários que permite o futuro, e nunca o desperdício e o despesismo exacerbado pelas práticas políticas a que estes partidos da dita área da governação nos habituaram.
Quando Portugal entrou para a CEE, E sem que os portugueses o percebessem, o País vendeu a pataco os seus principais meios de produção; tudo foi dizimado. Louças, cristais, industria pesada; as manufacturas que tanto nos distinguiram no mundo. Pescas e agricultura, parcelas tão importantes e indispensáveis à nossa independência e sobrevivência, enquanto nação soberana com novecentos anos de História. O que ficou, do tanto que tínhamos? Ficou a imoralidade de uma justiça que sempre dividiu o nosso pequeno mundo em pobres e ricos, a parte podre e malévola do sistema feudal a que a ditadura nos conduziu, em oposição à nossa História, onde se percebe que, de feudalismo, na verdade tivemos muito pouco. Ficaram as inúmeras favelas, os inúmeros "bairros de lata" a aprisionarem as nossas cidades dentro de um anel de pobreza extrema. Ficou a ignorância e a aceitação da imoralidade e injustiça como fado imposto ao mundo lírico que acredita no destino e na predestinação. Hoje aceite como património imaterial da humanidade, o fado, como preludio que nos obriga a aceitar sem rancor um destino de insignificâncias, simboliza a indolência de um povo que nunca se reconhece tal qual na realidade é"
A Comunidade Europeia injectou milhões em projectos para o nosso desenvolvimento, que pouco soubemos aproveitar; contudo, do muito que entrou, a bondade e a clarividência do primeiro " ministro de então, o professor Cavaco Silva, achou por bem acudir à nossa via rodoviária como primeira necessidade para o desenvolvimento. No Luxemburgo, (onde muitas das habitações não dispunham de casas de banho), a primeiríssima necessidade para o futuro foi a aquisição de meios de produção, o desenvolvimento disciplinado e minucioso, estudado ao pormenor, das indústrias e do comércio. Em Portugal não. A Inteligência Nacional entregou a Industria nas mãos de empresas estrangeiras, mediante programas que consideravam isenção de impostos, acreditando que as mais-valias do conhecimento tecnológico nos seriam servidas numa bandeja, e fizeram-se estradas. Puro erro. Com o fim das isenções as empresas estrangeiras deslocaram-se para outras paragens, em busca do El Dourado da mão-de-obra escrava e sem direitos, e levaram consigo as suas tecnologias. Portugal, pela mão firme e inteligente deste brilhante Estadista, hoje Presidente da "nossa" Republica, e de todos os seus rivais Socialistas, ficou indiferente à destruição sistemática do nosso aparelho produtivo. Aceitaram o abate de barcos de pesca. Aceitaram que o nosso peixe, pescado pelos nossos vizinhos espanhóis, volta-se por via rodoviária, para ser vendido nas nossas lotas.
Hoje, e pela mão firme dos mesmos, somos uma nação sem qualquer futuro. Temos uma dita "Assembleia da Republica" onde a dignidade que distingue e é o timbre dos deputados da maioria, passa pela aceitação de bêbadas e, implicitamente, de bêbados, (de acordo com o principio que um "grãozinho na asa" facilita a verborreia do discurso fácil e inócuo, ao qual, e de uma forma bizarra e divertida, nada tenho a opor); roubamos quem trabalhou e muito fez pelo futuro do País, permitindo com os seus pesados descontos as reformas dos menos aptos, (ao que nada tenho a opor, ainda que tenha chegado a minha hora, e eu não veja o retorno do meu esforço), somos governados por miúdos imbecilizados saídos de juventudes partidárias onde reina tudo, menos alguma, ainda que pouca, experiência de vida), estamos ocupados por estrangeiros, que exigem-nos o pagamento de dívidas astronómicas que estas máfias politiqueiras fizeram, e, finalmente, tanto empresários honestos como trabalhadores dignos e esforçados, sentimos de igual modo o mesmo medo, o medo tenebroso de uma vida sem norte e sem rumo, pela mão de um sistema infernal e dantesco, estúpido, inconsequente e irresponsável; temos como timoneiro desta nação, onde infelizmente, e por desdita do destino, nascemos, o mesmo homem que, de há trinta anos a esta parte, impõe a sua lógica, o seu "tempero" politico, a uma terra onde apenas se vê dor e lágrimas.
Vamos de novo assistir, impotentes, à morte de velhotes ou jovens soterrados em valas, por falta da indispensável entivação, e isto porque o crime, em Portugal, compensa e faz parte da nossa vida colectiva. Sempre fez. Sempre foi assim. Faz parte do nosso fado que viabiliza o nosso destino.
Mas porquê, sim, porquê? Porque, enquanto colectivo, não sabemos pensar; e se não sabemos pensar, não sabemos votar, e se não sabemos votar não temos o direito de viver em democracia. Portugal dissolvesse na Europa na sua eterna qualidade de trabalhador não qualificado; espalha-se em pedaços pelo mundo. Voltamos às origens. Voltamos a exigir ao mundo o que não somos capazes de manter: a Independência e a Soberania do nosso espaço. Como eu escrevi no meu romance, vendam, (ou aluguem), ao estrangeiro o edifício da Assembleia da Republica; primeiro porque a Republica está morta e enterrada, segundo, porque esta Assembleia, como está, para nada nos serve, graças ao nosso grande estadista Cavaco, o nosso coveiro de estimação"
José Solá



  Mais notícias da seção Cultura no caderno OPINIÃO
29/09/2015 - Cultura - FRANCISCO, O MIDIÁTICO APÓSTATA
O Papa Francisco é rotariano honorário do RC de Buenos Aires, desde 1999. Sabe-se que o Rotary, assim como o Lyons, é uma organização para-maçônica, fundada pelo maçom Paul Herris. Assim como a Maçonaria, o Rotary considera iguais todas as religiões e se diz apolítico e beneficente, e é muito difícil que um rotariano não seja maçom. Após o conclave...
19/05/2014 - Cultura - NEVOEIRO LINGUÍSTICO - MARIA JOÃO OLIVEIRA
Subordinar a grafia à oralidade, que é tão variada na comunidade lusófona, faz divergir as grafias ainda mais, pelo que deita por terra uma propalada "unificação" que não é desejável (é a diversidade que enriquece a Língua), nem possível, porque este "acordo" admite múltiplas grafias (as famigeradas facultatividades), como por exemplo: corrupto/cor...
13/01/2014 - Cultura - A CONSOANTE MUDA E A PREGUIÇA
O nosso problema é a preguiça crônica até no falar. Não se pronuncia "andar", "comer", "vir" por inércia verbal, falta de ânimo, assim como muitos pronunciam "nóis" em vez de "nós" e "mais" no lugar de "mas" não só por ignorância do idioma ou por sotaque cultivado nas ociosas malandrices, mas, principalmente, porque devem sentir prazer em deixar re...
05/01/2014 - Cultura - UMBERTO E OUTROS ECOS
E o leitor atento poderá imaginar que estou me referindo somente ao Brasil dividido em tantos brasis e em tantas culturas que alguns poucos teimam em preservar, a despeito dos meios de comunicação que as desejam sufocar. Aqui, apesar dos corruptos que, aos poucos, estão conhecendo o seu lugar nos presídios, apesar dos péssimos políticos e de uma ma...
03/01/2014 - Cultura - NATAL
Participaste da caixinha para os aflitos e falaste muito bem dos indigentes, separaste roupas e brinquedos para as associações de caridade e rezaste para não ser assaltado pelos miseráveis. Suspiras aliviado entre as grades da tua casa, Deus é bom e protege os homens de bens " acreditas " que irão para o céu da prosperidade se forem altruístas e co...
12/05/2013 - Cultura - A DESNACIONALIZAÇÃO DAS FACULDADES - Patrícia Benvenuti
A origem do capital também preocupa. A coordenadora-geral da Contee, Madalena Guasco Peixoto, lembra que os recursos que financiam essas negociações não são provenientes de instituições internacionais de ensino, e sim de agentes que esperam lucratividade. "Esse pessoal é do capital financeiro aberto, especulativo. Eles não têm o mínimo interesse co...
18/07/2012 - Cultura - UM PAÍS DE ANALFABETOS - por FAUSTO BRIGNOL
Bertoldt Brecht escreveu: "O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dize...
18/07/2012 - Cultura - GLOBALIZAÇÃO, EUROPA e... fantasia - por JOSÉ SOLÁ
E ali, no exacto sitio onde a terra acaba e o mar começa, quando o clima aqueceu e as florestas se renovaram sobre si mesmas, pelo aço da força de querer, pelo punho erguido de uma mão cheia de homens, pela força da vontade de ser livre, porque ter casa própria com o nome de Pátria é ser gente, por tudo isso, e porque a Alma que nos enche de vida é...
03/05/2012 - Cultura - JOÃO DO VALE - por Jackson Machado de Assis e do Pandeiro
"Esses ladrões, todo o Brasil já os conhece. O que me causou admiração e surpresa é que gente que faturou em cima do João do Vale. Bem, não sei como tudo aconteceu, mas, é lógico, qualquer um desses artistas que ganharam dinheiro com a sua (dele) obra poderiam, de alguma forma, ter evitado. Certo que enriqueçam, mas que não fiquem cegos. ...
03/01/2012 - Cultura - DILEMAS DO JORNALISMO - por ELAINE TAVARES, jornalista.
"Já para os empresários da comunicação, pensar é coisa perigosa. Jornalista precisa saber o mínimo da técnica e ter o máximo de domesticação. Sem maiores compreensões sobre as forças que regem o mundo capitalista de produção, os estudantes dos cursos de jornalismo saem das salas de aula direto para os "matadouros" empresariais levando na bagagem o ...
03/01/2012 - Cultura - AS CIDADES E AS SUAS PERIFERIAS - por OTÁVIO MARTINS, jornalista.
Otávo Martins mostra um pouco da cidade-ficção que se transformou Bagé/RS. Ou, como ele escreve: "E dizer que os últimos prefeitos são pessoas que chegaram à cidade, sem eira e nem beira. Que eu me recorde, além de atividades das mais modestas, só cursaram a carreira política. Será que a profissão de político é, assim, rentável e tão rápida para o ...
02/11/2011 - Cultura - EL CHE: CURA E LIBERTAÇÃO - Raul Fitipaldi
"Durante 44 anos, os pobres, e os filhos pobres dos pobres, os ateus pobres e os crentes pobres, em soma: "os majoritários em todos os aspectos", ganhamos um santo, São Ernesto Guevara. A ele e por ele rezamos a cada 8 de outubro. A ele e por ele prometemos defender Nossa América, a ele e por ele juramos lealdade à Pátria Grande de Bolívar, San Mar...
02/11/2011 - Cultura - AOS CAMINHANTES - Raquel Moysés
"O gurizinho avança o sinal. Está verde para os carros, mas ele segue, sem vacilar, pela faixa de pedestres, enquanto me lança um olhar de quem confia. Parece saber que pode contar com o meu cuidado. Apreensiva, fico vigiando, com medo de que o motorista que vem pelo outro lado da faixa não pare. Isso acontece com frequência, sendo um dos motivos d...
02/11/2011 - Cultura - ENCHENTE DE 1911 - UM SÉCULO DEPOIS - Urda Alice Kluger
"Naqueles anos em que eu tinha oito, nove, dez anos, minha avó Emma Katzwinkel Klueger morou na nossa casa, à rua Antônio Zendron 668 " Garcia " Blumenau. Aquela foi a única avó que eu conheci e outras vezes já escrevi sobre ela, uma grande contadora de histórias, um grande achado para uma criança curiosa e ávida de novidades como eu era. Passava ...
01/10/2011 - Cultura - DIGA NÃO
Diga não. Não somente para as grandes corrupções neste país de tantos carnavais. Diga não a si mesmo quando perceber que está concordando em ser roubado pelos impostos, roubado pelas falsas informações, roubado quando acredita nas promessas dos políticos que dizem não a você, roubado quando acredita que eleições resolverão todos os males, roubado ...
06/08/2011 - Cultura - OS MENINOS DO CHACO - URDA ALICE KLUEGER
"Então paramos em mais um posto de abastecimento ao longo da longa tira de asfalto que cortava o Chaco argentino. Eu morria de fome, e tratando de cumprir as ordens, não esperei por ninguém: tratei logo de conseguir comida, uma deliciosa carne fria com muita pimenta e batatas frias, pelo que entendi, prato típico daquela região. Assim, quando os me...
02/08/2011 - Cultura - A PEDRA DE SÍSIFO - HOMERO MATTOS Jr.
"Segue, abaixo, um trecho da conferência de Günter Grass à Associação Alemã de Jornalistas, publicada na íntegra na edição dominical do jornal espanhol El País.O mito (grego) de Sísifo é mais um de seus congêneres a ilustrar o inconformismo humano diante da vontade dos deuses, estes nem sempre ao par com nossas expectativas sobre o quê é ou como de...
06/06/2011 - Cultura - AS MARCHAS BRASILEIRAS PELA LIBERDADE DE... - Fausto Brignol
"Enquanto isto, na Europa, principalmente Espanha, Grécia e Portugal, França e Irlanda - por enquanto - o povo sai às ruas por melhores condições de vida. Contra o desemprego, corrupção e desigualdade. Na Espanha, pede-se uma Democracia Real e não uma estéril democracia do voto. Milhares de pessoas estão acampadas na Praça do Sol, em Madri, gritand...
06/06/2011 - Cultura - A CORRUPÇÃO TAMBÉM NA LÍNGUA - Fausto Brignol
"Quando erramos, erramos. Ou não erramos? Há quem pense que uma república, por ser coisa do povo - res publica - no ensino da sua língua deve acompanhar a pobreza mental de quem não sabe ler, escrever e falar. O raciocínio parece ser o seguinte: se a maioria do povo não sabe falar (muito menos ler e escrever) o português correto, adote-se o não fal...
20/05/2011 - Cultura - AMANDA GURGEL em entrevista a João Paulo da Silva, do "Portal" - "Precisamos transformar a nosa angústa em ação"
Em entrevista ao Portal, a professora e militante do PSTU, Amanda Gurgel, que calou deputados no Rio Grande do Norte em discurso durante audiência pública, falou sobre a repercussão nacional de seu vídeo e o cenário caótico da educação no estado e no Brasil....
12/05/2011 - Cultura - OUTONO NA BARRA DO CAMACHO - QUASE JUNHO - Urda Alice Klueger
"Então, agora à noitinha, temi pelo encontro com pessoas que eu não sabia quem eram, do mesmo jeito que, decerto, pessoas do passado temeram um dia, milhares de anos atrás. Achei melhor, então, caminhar pelas dunas na direção oposta, lá para onde é a goela da Lagoa produtora de abundante alimento ao longo de milênios, e onde tarrafeavam alguns home...
21/04/2011 - Cultura - AS VELHAS PÁSCOAS - Urda Alice Klueger
"Fico entristecida quando vejo o que a sociedade de consumo fez com a Páscoa: para a maioria das pessoas, hoje, Páscoa significa ir aos supermercados disputar ovos de chocolate anunciados como os mais baratos do Brasil, muitas vezes levando junto as crianças para que elas próprias escolham sua marca preferida. A magia e o encanto da Páscoa se dissi...
13/04/2011 - Cultura - CAMINHOS PARA A DESCOLONIZAÇÃO DA AMÉRICA LATINA - Elaine Tavares
"A sétima edição das Jornadas Bolivarianas discutiu este ano um tema árduo e muito pouco palatável: a presença imperialista na cultura latino-americana. A idéia foi dar um panorama de como o império vai consolidando sua forma de ser na capilaridade da vida cotidiana através da escola, dos meios de comunicação, da vestimenta, da comida, da indústria...
11/04/2011 - Cultura - AS ESTRELAS DE QUINTANA - Urda Alice Klueger
"Ah! Quintana, queria escrever uma coisa bem bonita para ti, nestes teus 100 anos, e lembrando do teu poema que fala de todas as possibilidades - mas aconteceu a tragédia da Elfy, e na Palestina as coisas estão como estão, e minha Estrela tenta cortar-me os pés para que já não possa continuar no caminho iluminado... Perdão Quintana, choro. Acho que...
11/04/2011 - Cultura - HORROR - Emanuel Medeiros Vieira
"Não, não quero fazer teses. Apenas indago: que sociedade é essa? É a da obsessão pela magreza, do culto da juventude eterna, da plastificação contínua do corpo humano, da paixão desvairada por academias, do pavor da velhice, da busca insaciável do prazer do reino do "comprar" e do sexo banalizado e vazio? É isso: A VIDA NÃO VALE MAIS NADA."...
26/03/2011 - Cultura - NOSSOS IRMÃOS, OS ARGENTINOS - Urda Alice Klueger
"Já para o final da tarde, chegamos, afinal, à simpaticíssima cidade de Presidente Roque Saens Peña. Em outros lugares da Argentina, em outras ocasiões, eu já pudera observar como a população vai toda para as ruas nos domingos, inclusive nos domingos à noite, coisa bastante estranha para um morador do Vale do Itajaí, como eu, que nos domingos à noi...
23/03/2011 - Cultura - OS SAPATOS ME APERTAM - Fidel Castro
"Em mais uma de suas Reflexões, o comandante da Revolução cubana, Fidel Castro, comenta com fina ironia o pronunciamento do presidente dos Estados Unidos no Chile, na última segunda-feira (21). Aproveitou para comentar sobre o papel que desempenhou à frente de seu país e reiterou: " Continuarei sendo um soldado das ideias, enquanto possa pensar e r...
14/03/2011 - Cultura - CADÊ O THOMAZINHO? - José Ribamar Bessa Freire
"Cadê o Thomazinho? O Comando do Exército, com apoio da Marinha e da Aeronáutica, em documento revelado nessa semana pelo GLOBO, demonstrou que quer prolongar o suspense em relação ao desaparecimento do amazonense Thomaz Antônio da Silva Meirelles Neto e de outros 475 brasileiros, que foram vítimas de sequestro, cárcere privado, tortura, assassinat...
08/03/2011 - Cultura - MARIA DO CAIS - Urda Alice Klueger
"Na verdade, Maria descendia de toda uma genealogia de Marias, conhecidas como Maria do Cais, porque nenhuma delas soube quem era o pai nem foi registrada no civil " e teve muito padre que também lhes negou o batismo. Nasciam em pequenos lugares fétidos ali por perto dos navios, não tinham a chance da escola, e um dia substituíam suas mães, outras ...
25/02/2011 - Cultura - PEDRO W. E O CLOWN - Otávio Martins
"Foi, talvez, uma das últimas vezes que se viu o Pedro tão alegre como naquela noite. Escancarou o seu sorriso no justo momento em que retirava o nariz redondo e vermelho, tentando se desvencilhar do fino elástico enredado em meio aos cabelos encaracolados, os quais denunciavam os seus primeiros fios brancos. O clown já havia cumprido a sua parte, ...



Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES
Busca em

  
655 Notícias