| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

DIÓGENES
Desde: 15/07/2005      Publicadas: 655      Atualização: 10/01/2016

Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES


 OPINIÃO

  18/07/2012
  0 comentário(s)


GLOBALIZAÇÃO, EUROPA e... fantasia - por JOSÉ SOLÁ

E ali, no exacto sitio onde a terra acaba e o mar começa, quando o clima aqueceu e as florestas se renovaram sobre si mesmas, pelo aço da força de querer, pelo punho erguido de uma mão cheia de homens, pela força da vontade de ser livre, porque ter casa própria com o nome de Pátria é ser gente, por tudo isso, e porque a Alma que nos enche de vida é imensa, nasceu um País.

GLOBALIZAÇÃO, EUROPA  e... fantasia - por JOSÉ SOLÁEis aqui, quase cume da cabeça
de Europa toda, o reino lusitano
onde a terra se acaba e o mar começa

Parado, de olhar medroso, o Homem Sem Nome olha o topo das colinas onde ainda existe o desconhecido. Na sua esquerda as águas turbulentas de um rio largo, espartilhado entre praias que se situam nas margens planas, onde árvores dispersas se perdem na distância, a caminho das terras altas das colinas.
Na sua direita, um povoado, protegido por toscas cercas feitas de ramos entrelaçados, atados com tiras de peles de animais.
Dentro do cercado, habitações circulares feitas de materiais que abundam na natureza, pedras toscas sobrepostas, protegidas com coberturas de colmo; mulheres, crianças, animais de porte médio.
Na distância movem-se em bando animais pequenos, de caudas caídas e corpos cobertos de pelagem grossa e suja, olhos frios; são lobos que tacitamente se foram aliando aos homens; de um lado uns restos de comida, do outro, os uivos que alertam do perigo iminente. Uns quantos, (poucos) estão com os homens. São crias que perderam as progenitoras e foram amamentadas por mulheres que perderam os filhos. A mão da sábia natureza que é mãe de todos os seres das muitas espécies que criou.
Faz frio. O Homem Sem Nome aconchega-se nas peles que o protegem. Nada sabe de nomes de terras, de continentes. Muito menos de poetas e de Pátrias. E, se de nomes não entende, nem de continentes, nem de poetas e, muito menos de Pátrias, e se ele é o Homem, (o que ainda ignora), então é porque nada mais para além dele existe. Descobriu o conforto do fogo, saiu da protecção das cavernas, aprendeu a caçar, a construir casebres, descobriu que verte lágrimas quando sofre, mas ainda não sabe que sofre. Ama e não sabe. Apenas percebe que gosta dos seus. Age por instinto, mas, no seu eu que é como se alguém lhe intuísse de dentro coisas que não entende, vê-se pequeno, insignificante, com medo desse desconhecido que teme, e que vislumbra para lá das colinas, nesse além que fica fora do vale e do rio. No rudimento do seu intelecto em ascensão, sente que se predestina para avançar mais e mais, mas que nada, (ou pouco), fez.
Não é assim; sem que o perceba, a sobrevivência obrigou-o a vencer o medo e a descobrir o mundo. Ele e os seus congéneres já iniciaram a grande aventura da globalização do planeta.
As migrações, (ou por razões de clima, ou porque escasseia a caça, ou porque as lutas pela posse das terras expulsam e derrotam os mais fracos, (assim como hoje sucede), obrigam o homem a um esforço colectivo. Somos o que conseguirmos fazer em conjunto, e, como colectivo, somos a força do mundo, a mais poderosa depois da Natureza.
Então o Homem, pelo simples facto de existir, (vindo não se sabe de onde, pela mão de um Deus maior ou menor, ou pela evolução das espécies), descobriu pela necessidade dois factores de primordial importância para a Humanidade: Globalizou, (ou atirou-se de cabeça na vertigem do desconhecido, como queiram), e percebeu que o colectivo é mais importante do que o individual. Para vencer a turbulência do caudal de um rio damos as mãos; pode haver percas pontuais de vidas, mas a maioria salva-se. O individuo só por si raramente se salva"
O Homem Sem Nome perde-se na voragem dos milénios. Os seus descendentes continuam a missão de dar ao mundo cada vez soluções mais amplas.
E ali, no exacto sitio onde a terra acaba e o mar começa, quando o clima aqueceu e as florestas se renovaram sobre si mesmas, pelo aço da força de querer, pelo punho erguido de uma mão cheia de homens, pela força da vontade de ser livre, porque ter casa própria com o nome de Pátria é ser gente, por tudo isso, e porque a Alma que nos enche de vida é imensa, nasceu um País.
Nasceu de parto difícil. "Não deu a volta por completo." Diria um médico. E, numa época onde nada se sabia de anestesias, o jovem robusto foi arrancado a "ferros" ao ventre sagrado da terra mãe.
Corria o ano de 1139; a nova Pátria, (depois da conquista possível), é um rectângulo com oitocentos quilómetros na sua maior extensão, e uma largura média, digamos, de uns escassos cento e setenta quilómetros, e só a partir da tarde do dia 14 de Agosto do ano de 1385, decorridos 246 anos, é que consegue espreguiçar-se ao Sol e sonhar, recostado no seu colchão de falésias, aninhar-se no conforto macio das areias das suas muitas praias a ver o mar e a pensar: "Que raio haverá por ali?"
É um País, digamos, pouco provável, face à sua localização geográfica; de um lado uma poderosa Castela a quem acabou de dizer, pela força das armas, "Nós somos uma força de vontade inquebrável," do outro, um mar sem fim, fascinante e, em simultâneo, tenebroso.
A terra Lusa não evolui como os países cercados por outros. A terra Lusa não tem que competir. A terra Lusa mora numa península gigante que se limita do continente por altas e poderosas montanhas, e os dois países que coabitam nessa península, (Portugal e Espanha), cultivam salamaleques como devaneios de circunstância, enquanto sorrisos de falso amor lhes iluminam os olhos. "Temos que nos entender." " Pensam, - no sossego do seu silêncio, enquanto olham a gigantesca e imponente molhe dos Pirenéus, e cogitam: "São as grilhetas que nos prendem."
Como Saramago diz na Jangada de Pedra, "só soltos, à deriva nas águas do Oceano, nos vamos entender" "
E o dócil Portugal, ainda catraio, fez-se de peito às águas do Mar; um vádio errante que tomou o gosto das andanças por aqui e por ali. Conquistou, venceu em batalhas e foi vencido; fez amigos e inimigos.
Assim, coisa dita pelo alto, Portugal andou pelo Norte de África e, mais para o sul, pela Guiné, pelas ilhas de Cabo Verde, por Angola, Moçambique, Madagáscar e muito mais; desbravou as terras entre as fronteiras de Angola e as de Moçambique, (o tão falado mapa cor de rosa), que nos levou à prática do regicídio, visitou as terras do preste João, China, Japão, Índia, de onde os nossos missionários terão dado um salto até ao Tibete. Um português, Fernão de Magalhães, circum-navegou o globo ao serviço de Castela; e outro, a partir dos ensinamentos dos seus mestres açorianos na arte de marear, encontrou a América do Norte.
Pelas recentes descobertas feitas na Austrália, também por lá andámos a ver as vistas, e o Canadá, a Gronelândia, pouco apetecível por falta de convenientes agasalhos.
E o Brasil! Esta minha cabeça, essa jóia rara a que, na nossa eterna mania de sonhar, chamámos Terras de Vera Cruz; nos céus brasileiros se cruzaram flechas índias com flechas nossas, entrecruzadas, sobrepostas.
E ombro com ombro, os rapazolas das naus, esses nossos mariolas, e os morenos e musculados Índios, afinados nas forças, ergueram ao alto a gigantesca cruz onde se consubstanciava a (na época), marca de todo o Ocidente"
Existe no mundo lugar onde um português não tenha botado faladora, dito as suas sentenças, e confraternizado com novos amigos? Sinceramente, penso que não! Somos apenas uns escassos dez milhões na nossa terra saloia, mas somos a sesta língua mais falada no mundo!
Mas hoje, minha gente, nestes tempos de grandes saberes, pelo esclarecimento de uma Ciência infalível, feita na medida suficiente para salvar o mundo, nós, os Gregos e os Troianos, (como é uso dizer-se), os espanhóis, os italianos, os franceses e, (porque não dize-lo), toda a Civilização Latina, Uns já, (é o nosso caso e o dos gregos), outros para breve, (segundas núpcias ainda ao lume), somos, LIXO! É isso, meus caros: LIXO!
É evidente que, para tamanho desaforo, a sapiente intelectualidade vinda da Civilização, tem utilizado alguns recatados Condes Andeiros, que, (como sucedeu em 1640), se arriscam a saltar pelas janelas para as mãos da populaça, ainda que se escondam debaixo das camas ou dentro dos armários.
Mas, e por mera curiosidade, ainda que um pouco mórbida, eu interrogo-me: "Lixo, mas de que tipo?" É que, como é do conhecimento universal, existem vários e diversos tipos de lixo: biodegradável, (o orgânico, ao que julgo, pois sou pouco entendido na matéria), também utilizável nas manifestações organizadas pelos sindicatos, e o outro, o inorgânico (não manipulável pelos perigosíssimos sindicatos), que de igual modo também circula por manifestações mas por sua própria conta e risco; e, nesta segunda hipótese, é evidente que, sendo lixo, nos podem (quando assim o entenderem), reciclar, o que, (a meu ver), é estupendo, porque mais tarde voltaremos a ver a luz do Sol, talvez na forma de pneu para automóvel"
Hoje estou agradecido ao meu intelecto, pois me sinto mais confortado. Afinal, quando o Governo da Nação gasta trinta e quatro mil milhões com os especialistas em tipos e qualidades de lixo, que dão pelo nome de Troika, o faz, só e apenas, porque pensa no nosso bem-estar!
  Autor:   JOSÉ SOLÁ


  Mais notícias da seção Cultura no caderno OPINIÃO
29/09/2015 - Cultura - FRANCISCO, O MIDIÁTICO APÓSTATA
O Papa Francisco é rotariano honorário do RC de Buenos Aires, desde 1999. Sabe-se que o Rotary, assim como o Lyons, é uma organização para-maçônica, fundada pelo maçom Paul Herris. Assim como a Maçonaria, o Rotary considera iguais todas as religiões e se diz apolítico e beneficente, e é muito difícil que um rotariano não seja maçom. Após o conclave...
19/05/2014 - Cultura - NEVOEIRO LINGUÍSTICO - MARIA JOÃO OLIVEIRA
Subordinar a grafia à oralidade, que é tão variada na comunidade lusófona, faz divergir as grafias ainda mais, pelo que deita por terra uma propalada "unificação" que não é desejável (é a diversidade que enriquece a Língua), nem possível, porque este "acordo" admite múltiplas grafias (as famigeradas facultatividades), como por exemplo: corrupto/cor...
13/01/2014 - Cultura - A CONSOANTE MUDA E A PREGUIÇA
O nosso problema é a preguiça crônica até no falar. Não se pronuncia "andar", "comer", "vir" por inércia verbal, falta de ânimo, assim como muitos pronunciam "nóis" em vez de "nós" e "mais" no lugar de "mas" não só por ignorância do idioma ou por sotaque cultivado nas ociosas malandrices, mas, principalmente, porque devem sentir prazer em deixar re...
05/01/2014 - Cultura - UMBERTO E OUTROS ECOS
E o leitor atento poderá imaginar que estou me referindo somente ao Brasil dividido em tantos brasis e em tantas culturas que alguns poucos teimam em preservar, a despeito dos meios de comunicação que as desejam sufocar. Aqui, apesar dos corruptos que, aos poucos, estão conhecendo o seu lugar nos presídios, apesar dos péssimos políticos e de uma ma...
03/01/2014 - Cultura - NATAL
Participaste da caixinha para os aflitos e falaste muito bem dos indigentes, separaste roupas e brinquedos para as associações de caridade e rezaste para não ser assaltado pelos miseráveis. Suspiras aliviado entre as grades da tua casa, Deus é bom e protege os homens de bens " acreditas " que irão para o céu da prosperidade se forem altruístas e co...
12/05/2013 - Cultura - A DESNACIONALIZAÇÃO DAS FACULDADES - Patrícia Benvenuti
A origem do capital também preocupa. A coordenadora-geral da Contee, Madalena Guasco Peixoto, lembra que os recursos que financiam essas negociações não são provenientes de instituições internacionais de ensino, e sim de agentes que esperam lucratividade. "Esse pessoal é do capital financeiro aberto, especulativo. Eles não têm o mínimo interesse co...
14/01/2013 - Cultura - AS MINHAS DÚVIDAS ETERNAS - JOSÉ SOLÁ
Hoje, e pela mão firme dos mesmos, somos uma nação sem qualquer futuro. Temos uma dita "Assembleia da Republica" onde a dignidade que distingue e é o timbre dos deputados da maioria, passa pela aceitação de bêbadas e, implicitamente, de bêbados, (de acordo com o principio que um "grãozinho na asa" facilita a verborreia do discurso fácil e inócuo, a...
18/07/2012 - Cultura - UM PAÍS DE ANALFABETOS - por FAUSTO BRIGNOL
Bertoldt Brecht escreveu: "O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dize...
03/05/2012 - Cultura - JOÃO DO VALE - por Jackson Machado de Assis e do Pandeiro
"Esses ladrões, todo o Brasil já os conhece. O que me causou admiração e surpresa é que gente que faturou em cima do João do Vale. Bem, não sei como tudo aconteceu, mas, é lógico, qualquer um desses artistas que ganharam dinheiro com a sua (dele) obra poderiam, de alguma forma, ter evitado. Certo que enriqueçam, mas que não fiquem cegos. ...
03/01/2012 - Cultura - DILEMAS DO JORNALISMO - por ELAINE TAVARES, jornalista.
"Já para os empresários da comunicação, pensar é coisa perigosa. Jornalista precisa saber o mínimo da técnica e ter o máximo de domesticação. Sem maiores compreensões sobre as forças que regem o mundo capitalista de produção, os estudantes dos cursos de jornalismo saem das salas de aula direto para os "matadouros" empresariais levando na bagagem o ...
03/01/2012 - Cultura - AS CIDADES E AS SUAS PERIFERIAS - por OTÁVIO MARTINS, jornalista.
Otávo Martins mostra um pouco da cidade-ficção que se transformou Bagé/RS. Ou, como ele escreve: "E dizer que os últimos prefeitos são pessoas que chegaram à cidade, sem eira e nem beira. Que eu me recorde, além de atividades das mais modestas, só cursaram a carreira política. Será que a profissão de político é, assim, rentável e tão rápida para o ...
02/11/2011 - Cultura - EL CHE: CURA E LIBERTAÇÃO - Raul Fitipaldi
"Durante 44 anos, os pobres, e os filhos pobres dos pobres, os ateus pobres e os crentes pobres, em soma: "os majoritários em todos os aspectos", ganhamos um santo, São Ernesto Guevara. A ele e por ele rezamos a cada 8 de outubro. A ele e por ele prometemos defender Nossa América, a ele e por ele juramos lealdade à Pátria Grande de Bolívar, San Mar...
02/11/2011 - Cultura - AOS CAMINHANTES - Raquel Moysés
"O gurizinho avança o sinal. Está verde para os carros, mas ele segue, sem vacilar, pela faixa de pedestres, enquanto me lança um olhar de quem confia. Parece saber que pode contar com o meu cuidado. Apreensiva, fico vigiando, com medo de que o motorista que vem pelo outro lado da faixa não pare. Isso acontece com frequência, sendo um dos motivos d...
02/11/2011 - Cultura - ENCHENTE DE 1911 - UM SÉCULO DEPOIS - Urda Alice Kluger
"Naqueles anos em que eu tinha oito, nove, dez anos, minha avó Emma Katzwinkel Klueger morou na nossa casa, à rua Antônio Zendron 668 " Garcia " Blumenau. Aquela foi a única avó que eu conheci e outras vezes já escrevi sobre ela, uma grande contadora de histórias, um grande achado para uma criança curiosa e ávida de novidades como eu era. Passava ...
01/10/2011 - Cultura - DIGA NÃO
Diga não. Não somente para as grandes corrupções neste país de tantos carnavais. Diga não a si mesmo quando perceber que está concordando em ser roubado pelos impostos, roubado pelas falsas informações, roubado quando acredita nas promessas dos políticos que dizem não a você, roubado quando acredita que eleições resolverão todos os males, roubado ...
06/08/2011 - Cultura - OS MENINOS DO CHACO - URDA ALICE KLUEGER
"Então paramos em mais um posto de abastecimento ao longo da longa tira de asfalto que cortava o Chaco argentino. Eu morria de fome, e tratando de cumprir as ordens, não esperei por ninguém: tratei logo de conseguir comida, uma deliciosa carne fria com muita pimenta e batatas frias, pelo que entendi, prato típico daquela região. Assim, quando os me...
02/08/2011 - Cultura - A PEDRA DE SÍSIFO - HOMERO MATTOS Jr.
"Segue, abaixo, um trecho da conferência de Günter Grass à Associação Alemã de Jornalistas, publicada na íntegra na edição dominical do jornal espanhol El País.O mito (grego) de Sísifo é mais um de seus congêneres a ilustrar o inconformismo humano diante da vontade dos deuses, estes nem sempre ao par com nossas expectativas sobre o quê é ou como de...
06/06/2011 - Cultura - AS MARCHAS BRASILEIRAS PELA LIBERDADE DE... - Fausto Brignol
"Enquanto isto, na Europa, principalmente Espanha, Grécia e Portugal, França e Irlanda - por enquanto - o povo sai às ruas por melhores condições de vida. Contra o desemprego, corrupção e desigualdade. Na Espanha, pede-se uma Democracia Real e não uma estéril democracia do voto. Milhares de pessoas estão acampadas na Praça do Sol, em Madri, gritand...
06/06/2011 - Cultura - A CORRUPÇÃO TAMBÉM NA LÍNGUA - Fausto Brignol
"Quando erramos, erramos. Ou não erramos? Há quem pense que uma república, por ser coisa do povo - res publica - no ensino da sua língua deve acompanhar a pobreza mental de quem não sabe ler, escrever e falar. O raciocínio parece ser o seguinte: se a maioria do povo não sabe falar (muito menos ler e escrever) o português correto, adote-se o não fal...
20/05/2011 - Cultura - AMANDA GURGEL em entrevista a João Paulo da Silva, do "Portal" - "Precisamos transformar a nosa angústa em ação"
Em entrevista ao Portal, a professora e militante do PSTU, Amanda Gurgel, que calou deputados no Rio Grande do Norte em discurso durante audiência pública, falou sobre a repercussão nacional de seu vídeo e o cenário caótico da educação no estado e no Brasil....
12/05/2011 - Cultura - OUTONO NA BARRA DO CAMACHO - QUASE JUNHO - Urda Alice Klueger
"Então, agora à noitinha, temi pelo encontro com pessoas que eu não sabia quem eram, do mesmo jeito que, decerto, pessoas do passado temeram um dia, milhares de anos atrás. Achei melhor, então, caminhar pelas dunas na direção oposta, lá para onde é a goela da Lagoa produtora de abundante alimento ao longo de milênios, e onde tarrafeavam alguns home...
21/04/2011 - Cultura - AS VELHAS PÁSCOAS - Urda Alice Klueger
"Fico entristecida quando vejo o que a sociedade de consumo fez com a Páscoa: para a maioria das pessoas, hoje, Páscoa significa ir aos supermercados disputar ovos de chocolate anunciados como os mais baratos do Brasil, muitas vezes levando junto as crianças para que elas próprias escolham sua marca preferida. A magia e o encanto da Páscoa se dissi...
13/04/2011 - Cultura - CAMINHOS PARA A DESCOLONIZAÇÃO DA AMÉRICA LATINA - Elaine Tavares
"A sétima edição das Jornadas Bolivarianas discutiu este ano um tema árduo e muito pouco palatável: a presença imperialista na cultura latino-americana. A idéia foi dar um panorama de como o império vai consolidando sua forma de ser na capilaridade da vida cotidiana através da escola, dos meios de comunicação, da vestimenta, da comida, da indústria...
11/04/2011 - Cultura - AS ESTRELAS DE QUINTANA - Urda Alice Klueger
"Ah! Quintana, queria escrever uma coisa bem bonita para ti, nestes teus 100 anos, e lembrando do teu poema que fala de todas as possibilidades - mas aconteceu a tragédia da Elfy, e na Palestina as coisas estão como estão, e minha Estrela tenta cortar-me os pés para que já não possa continuar no caminho iluminado... Perdão Quintana, choro. Acho que...
11/04/2011 - Cultura - HORROR - Emanuel Medeiros Vieira
"Não, não quero fazer teses. Apenas indago: que sociedade é essa? É a da obsessão pela magreza, do culto da juventude eterna, da plastificação contínua do corpo humano, da paixão desvairada por academias, do pavor da velhice, da busca insaciável do prazer do reino do "comprar" e do sexo banalizado e vazio? É isso: A VIDA NÃO VALE MAIS NADA."...
26/03/2011 - Cultura - NOSSOS IRMÃOS, OS ARGENTINOS - Urda Alice Klueger
"Já para o final da tarde, chegamos, afinal, à simpaticíssima cidade de Presidente Roque Saens Peña. Em outros lugares da Argentina, em outras ocasiões, eu já pudera observar como a população vai toda para as ruas nos domingos, inclusive nos domingos à noite, coisa bastante estranha para um morador do Vale do Itajaí, como eu, que nos domingos à noi...
23/03/2011 - Cultura - OS SAPATOS ME APERTAM - Fidel Castro
"Em mais uma de suas Reflexões, o comandante da Revolução cubana, Fidel Castro, comenta com fina ironia o pronunciamento do presidente dos Estados Unidos no Chile, na última segunda-feira (21). Aproveitou para comentar sobre o papel que desempenhou à frente de seu país e reiterou: " Continuarei sendo um soldado das ideias, enquanto possa pensar e r...
14/03/2011 - Cultura - CADÊ O THOMAZINHO? - José Ribamar Bessa Freire
"Cadê o Thomazinho? O Comando do Exército, com apoio da Marinha e da Aeronáutica, em documento revelado nessa semana pelo GLOBO, demonstrou que quer prolongar o suspense em relação ao desaparecimento do amazonense Thomaz Antônio da Silva Meirelles Neto e de outros 475 brasileiros, que foram vítimas de sequestro, cárcere privado, tortura, assassinat...
08/03/2011 - Cultura - MARIA DO CAIS - Urda Alice Klueger
"Na verdade, Maria descendia de toda uma genealogia de Marias, conhecidas como Maria do Cais, porque nenhuma delas soube quem era o pai nem foi registrada no civil " e teve muito padre que também lhes negou o batismo. Nasciam em pequenos lugares fétidos ali por perto dos navios, não tinham a chance da escola, e um dia substituíam suas mães, outras ...
25/02/2011 - Cultura - PEDRO W. E O CLOWN - Otávio Martins
"Foi, talvez, uma das últimas vezes que se viu o Pedro tão alegre como naquela noite. Escancarou o seu sorriso no justo momento em que retirava o nariz redondo e vermelho, tentando se desvencilhar do fino elástico enredado em meio aos cabelos encaracolados, os quais denunciavam os seus primeiros fios brancos. O clown já havia cumprido a sua parte, ...



Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES
Busca em

  
655 Notícias