| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

DIÓGENES
Desde: 15/07/2005      Publicadas: 655      Atualização: 10/01/2016

Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES


 OPINIÃO

  25/02/2011
  0 comentário(s)


PEDRO W. E O CLOWN - Otávio Martins

"Foi, talvez, uma das últimas vezes que se viu o Pedro tão alegre como naquela noite. Escancarou o seu sorriso no justo momento em que retirava o nariz redondo e vermelho, tentando se desvencilhar do fino elástico enredado em meio aos cabelos encaracolados, os quais denunciavam os seus primeiros fios brancos. O clown já havia cumprido a sua parte, agora era a vez dele se divertir. Juntou-se aos convidados, saiu cantando e dançando pelo salão."

PEDRO W. E O CLOWN - Otávio Martins Foi, talvez, uma das últimas vezes que se viu o Pedro tão alegre como naquela noite. Escancarou o seu sorriso no justo momento em que retirava o nariz redondo e vermelho, tentando se desvencilhar do fino elástico enredado em meio aos cabelos encaracolados, os quais denunciavam os seus primeiros fios brancos. O clown já havia cumprido a sua parte, agora era a vez dele se divertir. Juntou-se aos convidados, saiu cantando e dançando pelo salão.
Quando se encontraram pela primeira vez, há muitos anos, lá no banco da praça de esportes, nem seria preciso que ele estivesse em pé para que se percebesse o estado de embriaguez em que se encontrava. Ofereceu a garrafa para que o novo amigo compartilhasse do seu prazer. Não haveria como recusar àquele convite; o outro aceitou e tomou um gole bem demorado da cachaça e, logo a seguir, tirou um cigarro do maço que estava no bolso da camisa. Antes que acendesse o isqueiro, Pedro dirigiu-se a ele, num tom de indiscutível aquiescência, de aprovação:
- Sabia que estava faltando alguma coisa! (Com a voz já bem arrastada).
Deixando parte de um cigarro para fora do maço, o companheiro retribuiu a gentileza oferecendo-o àquele sujeito surgido do meio da noite e da praça. Logo perguntou:
- Você é daqui?
- Não faz diferença... Já vivi em tantos lugares...
Pedro tinha aquele lugar apenas como uma referência na sua vida. Já havia rodado mundo a fora.
Talvez o que mais tivesse impressionado a pequena aniversariante foi o justo momento quando ele retirou do fundo (falso) de uma caixa de papelão que carregava consigo, em meio a algumas brincadeiras, um livro de história infantil, cujo personagem " um astronauta de primeira viagem " encontrava-se, sozinho, num outro planeta, muito distante, pouco maior do que o seu tamanho. Foi um momento de magia, quando, retirando, vagarosamente, o seu braço direito, trouxe na mão o livro, embrulhado para presente, com uma bela dedicatória do seu clown. O gesto lembrou aquele mesmo que usara " de pura sinceridade - ao oferecer a cachaça lá na praça.
Pedro mal conseguiu acabar de fumar o cigarro e logo se foi estirando, de papo pro ar, na extensão do banco onde antes estava sentado. A garrafa de cachaça, que já estava vazia, ficou jogada no canteiro, logo ali atrás. O amigo achou melhor deixá-lo descansar e, sem perdê-lo de vista, atravessou a rua, foi até ao bar pegar mais uma bebida e ficou por perto. De repente, Pedro levantou-se, sabendo muito bem onde estava, deu tchau e foi-se embora em direção à sua casa.
Os adultos eram em maior número " como acontece em quase todos os aniversários de criança " e estavam mais admirados e perplexos com aquela figura do que toda a criançada. Foram, aos poucos, fechando o círculo ao redor da aniversariante e de seus pequenos convidados, os quais acompanhavam atentos toda a movimentação e perguntavam tudo sobre a vida do clown. Ele até mostrou uma fotografia da sua namorada, que trazia na carteira; a estampa de uma personagem conhecida de todos através da televisão. Ninguém, pelo menos a garotada, duvidou. Vez que outra comia um salgadinho ou algum doce que eram oferecidos sobre as mesas e um pouco de refrigerante, o que deixava visível que o clown era como eles, real. Assim, as crianças iam ficando familiarizadas com ele. Os adultos é que ainda se mostravam um tanto desconfiados:
- Que estranho tipo é esse que circula livremente por todos os cantos do salão sem a menor cerimônia ou formalidade, se nem convidado foi?
Ao mesmo tempo em que deixava transparecer certa ingenuidade, não escondia que se aproveitava da cumplicidade da criançada para comportar-se daquela maneira, podendo-se até pensar, irresponsável. Só o nariz é que era de bêbado: até ali, ele só havia bebido refrigerante, comido alguns doces e salgadinhos. O clown, dessa maneira, dominava o espaço, movimentando-se com perfeita desenvoltura. Pedro se valia de todas as técnicas e exercícios que por tanto tempo havia desenvolvido junto ao seu grupo lá do teatro, além de sua passagem por uma infinidade de palcos; apresentações de rua e, ainda, as suas participações no cinema.
Naturalmente que aquele banco da praça, a partir daquela noite, passou a ser o local de encontro dos dois. Quando tiravam para visitar a cidade, seria bem provável que lá encontrassem a companhia um do outro. Vez que outra eram ilustres fregueses do bar da Iracema; eles e o pai de Pedro.
Por algum tempo, chegaram até a morar juntos no apartamento do irmão do Pedro, lá na Capital. Pedro vivia às voltas com tanto ensaio do seu grupo de teatro e, também, com a bebida, à qual já havia se habituado. Foi por essa época que o seu amigo cismou de escrever um livreto, resolvendo fazer o seu lançamento no meio da rua; mais precisamente na esquina mais conhecida e democrática da cidade e, depois, no domingo, foi expor sua publicação num brique, que funcionava num grande parque, próximo ao lugar onde estavam morando. Representando o personagem do seu livro, para chamar a atenção, recortou-o de uma folha grossa de isopor; a figura estava assentada sobre um pedestal, também feito de isopor. No brique, conseguiu vender apenas um exemplar do pequeno livro, apesar do baixo preço. Ao se aproximar o final da feira resolveu distribuir, gratuitamente, todos os exemplares do seu primeiro trabalho literário a quem por ali passasse. A figura representada no recorte de isopor ofereceu como presente à menina de seis ou sete anos que estava em companhia dos seus pais, artesãos, os quais, também, tentavam vender os seus trabalhos, próximos ao local onde o "escritor" expunha o seu livro. A menina, pelo brilho dos seus olhos, não poderia esconder a alegria pelo fato de poder levar para casa o leão, o qual, possivelmente, iria juntá-lo aos seus brinquedos.
- O senhor tem certeza de que não quer mais o seu leãozinho?
- Sim. Agora, ele é seu.
Além daquela caixa de papelão, o clown carregava consigo uma série de outros objetos: um xale de crochê de duas cores, já bem surrado; de papelão, grosso e firme, um cone, daqueles que servem como suporte para as linhas usadas nos teares. No meio desse cone, um barbante amarrado e outras bugigangas que ele, parece, nem chegou a usá-las todas durante a sua aparição. Era convincente em seus gestos e o desempenho através de pantomimas. Ao encostar o olho direito no lado que tinha o orifício menor do cone e, ao mesmo tempo rodando a ponta do pedaço de barbante, transformava-o numa manivela de verdade. Aquele gesto era para "dar corda" na sua filmadora improvisada que, ao apontá-la, principalmente em direção aos adultos, sugerindo o movimento de uma panorâmica, como se diz no cinema, todos ensaiavam uma pose, na feição de que, verdadeiramente, estivessem sendo filmados. Mexia e remexia de forma misteriosa, com o olhar fixo e arregalado, quase revelador, no interior da caixa de papelão, provocando um enorme suspense na platéia que, àquela altura, só tinha olhos para ele.
Pelo que se viu mais tarde, não tinha nada mais lá dentro, além daquilo que ele já havia usado nos números que havia apresentado.
Somente ele e o amigo lá da praça, o pai da aniversariante sabiam. Ficou combinado que o clown do Pedro entraria no meio da festa, de surpresa e, na forma mais natural possível, por ela passearia o seu personagem; depois de certo tempo, sairia da mesma forma, rua a fora. Mas ele preferiu alterar o roteiro. Quis mostrar que o clown era apenas uma figura ideal, sugerindo que, na realidade, poderíamos ser melhores se todos
habitassem o universo das crianças e dos clowns que, segundo ele acreditava, seria o mesmo.
Quando chegou à porta do salão onde transcorria a festa, todos pararam surpreendidos pela aparição daquela criatura tão doce. Mesmo com o nariz vermelho de um bêbado qualquer. Pedro assim o fazia somente para experimentar uma ponta, que fosse, da liberdade de ser o que realmente era.
Quase no final da festa podia-se notar a menina que comemorava os seus sete anos, andando, já sonolenta, entre os últimos convidados, vestindo parte do figurino do clown. O casaco preto, espécie de casaca, - tinha um girassol preso à lapela - que a pequena deixava arrastar pelo chão a parte de trás, mais comprida; o chapéu, também preto, parecendo uma peça emprestada de Chaplin.
Com alguns remanescentes adultos da festa, Pedro já bem embalado pelas muitas cervejinhas, com a mesma alegria com que retirou a "fantasia", cantava, percorrendo o salão que já estava quase vazio:
- É bonita, é bonita e é bonita!

28.11.2010 - Pra Mariana, aos 23; lembranças dos seus 7 anos.



  Mais notícias da seção Cultura no caderno OPINIÃO
29/09/2015 - Cultura - FRANCISCO, O MIDIÁTICO APÓSTATA
O Papa Francisco é rotariano honorário do RC de Buenos Aires, desde 1999. Sabe-se que o Rotary, assim como o Lyons, é uma organização para-maçônica, fundada pelo maçom Paul Herris. Assim como a Maçonaria, o Rotary considera iguais todas as religiões e se diz apolítico e beneficente, e é muito difícil que um rotariano não seja maçom. Após o conclave...
19/05/2014 - Cultura - NEVOEIRO LINGUÍSTICO - MARIA JOÃO OLIVEIRA
Subordinar a grafia à oralidade, que é tão variada na comunidade lusófona, faz divergir as grafias ainda mais, pelo que deita por terra uma propalada "unificação" que não é desejável (é a diversidade que enriquece a Língua), nem possível, porque este "acordo" admite múltiplas grafias (as famigeradas facultatividades), como por exemplo: corrupto/cor...
13/01/2014 - Cultura - A CONSOANTE MUDA E A PREGUIÇA
O nosso problema é a preguiça crônica até no falar. Não se pronuncia "andar", "comer", "vir" por inércia verbal, falta de ânimo, assim como muitos pronunciam "nóis" em vez de "nós" e "mais" no lugar de "mas" não só por ignorância do idioma ou por sotaque cultivado nas ociosas malandrices, mas, principalmente, porque devem sentir prazer em deixar re...
05/01/2014 - Cultura - UMBERTO E OUTROS ECOS
E o leitor atento poderá imaginar que estou me referindo somente ao Brasil dividido em tantos brasis e em tantas culturas que alguns poucos teimam em preservar, a despeito dos meios de comunicação que as desejam sufocar. Aqui, apesar dos corruptos que, aos poucos, estão conhecendo o seu lugar nos presídios, apesar dos péssimos políticos e de uma ma...
03/01/2014 - Cultura - NATAL
Participaste da caixinha para os aflitos e falaste muito bem dos indigentes, separaste roupas e brinquedos para as associações de caridade e rezaste para não ser assaltado pelos miseráveis. Suspiras aliviado entre as grades da tua casa, Deus é bom e protege os homens de bens " acreditas " que irão para o céu da prosperidade se forem altruístas e co...
12/05/2013 - Cultura - A DESNACIONALIZAÇÃO DAS FACULDADES - Patrícia Benvenuti
A origem do capital também preocupa. A coordenadora-geral da Contee, Madalena Guasco Peixoto, lembra que os recursos que financiam essas negociações não são provenientes de instituições internacionais de ensino, e sim de agentes que esperam lucratividade. "Esse pessoal é do capital financeiro aberto, especulativo. Eles não têm o mínimo interesse co...
14/01/2013 - Cultura - AS MINHAS DÚVIDAS ETERNAS - JOSÉ SOLÁ
Hoje, e pela mão firme dos mesmos, somos uma nação sem qualquer futuro. Temos uma dita "Assembleia da Republica" onde a dignidade que distingue e é o timbre dos deputados da maioria, passa pela aceitação de bêbadas e, implicitamente, de bêbados, (de acordo com o principio que um "grãozinho na asa" facilita a verborreia do discurso fácil e inócuo, a...
18/07/2012 - Cultura - UM PAÍS DE ANALFABETOS - por FAUSTO BRIGNOL
Bertoldt Brecht escreveu: "O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dize...
18/07/2012 - Cultura - GLOBALIZAÇÃO, EUROPA e... fantasia - por JOSÉ SOLÁ
E ali, no exacto sitio onde a terra acaba e o mar começa, quando o clima aqueceu e as florestas se renovaram sobre si mesmas, pelo aço da força de querer, pelo punho erguido de uma mão cheia de homens, pela força da vontade de ser livre, porque ter casa própria com o nome de Pátria é ser gente, por tudo isso, e porque a Alma que nos enche de vida é...
03/05/2012 - Cultura - JOÃO DO VALE - por Jackson Machado de Assis e do Pandeiro
"Esses ladrões, todo o Brasil já os conhece. O que me causou admiração e surpresa é que gente que faturou em cima do João do Vale. Bem, não sei como tudo aconteceu, mas, é lógico, qualquer um desses artistas que ganharam dinheiro com a sua (dele) obra poderiam, de alguma forma, ter evitado. Certo que enriqueçam, mas que não fiquem cegos. ...
03/01/2012 - Cultura - DILEMAS DO JORNALISMO - por ELAINE TAVARES, jornalista.
"Já para os empresários da comunicação, pensar é coisa perigosa. Jornalista precisa saber o mínimo da técnica e ter o máximo de domesticação. Sem maiores compreensões sobre as forças que regem o mundo capitalista de produção, os estudantes dos cursos de jornalismo saem das salas de aula direto para os "matadouros" empresariais levando na bagagem o ...
03/01/2012 - Cultura - AS CIDADES E AS SUAS PERIFERIAS - por OTÁVIO MARTINS, jornalista.
Otávo Martins mostra um pouco da cidade-ficção que se transformou Bagé/RS. Ou, como ele escreve: "E dizer que os últimos prefeitos são pessoas que chegaram à cidade, sem eira e nem beira. Que eu me recorde, além de atividades das mais modestas, só cursaram a carreira política. Será que a profissão de político é, assim, rentável e tão rápida para o ...
02/11/2011 - Cultura - EL CHE: CURA E LIBERTAÇÃO - Raul Fitipaldi
"Durante 44 anos, os pobres, e os filhos pobres dos pobres, os ateus pobres e os crentes pobres, em soma: "os majoritários em todos os aspectos", ganhamos um santo, São Ernesto Guevara. A ele e por ele rezamos a cada 8 de outubro. A ele e por ele prometemos defender Nossa América, a ele e por ele juramos lealdade à Pátria Grande de Bolívar, San Mar...
02/11/2011 - Cultura - AOS CAMINHANTES - Raquel Moysés
"O gurizinho avança o sinal. Está verde para os carros, mas ele segue, sem vacilar, pela faixa de pedestres, enquanto me lança um olhar de quem confia. Parece saber que pode contar com o meu cuidado. Apreensiva, fico vigiando, com medo de que o motorista que vem pelo outro lado da faixa não pare. Isso acontece com frequência, sendo um dos motivos d...
02/11/2011 - Cultura - ENCHENTE DE 1911 - UM SÉCULO DEPOIS - Urda Alice Kluger
"Naqueles anos em que eu tinha oito, nove, dez anos, minha avó Emma Katzwinkel Klueger morou na nossa casa, à rua Antônio Zendron 668 " Garcia " Blumenau. Aquela foi a única avó que eu conheci e outras vezes já escrevi sobre ela, uma grande contadora de histórias, um grande achado para uma criança curiosa e ávida de novidades como eu era. Passava ...
01/10/2011 - Cultura - DIGA NÃO
Diga não. Não somente para as grandes corrupções neste país de tantos carnavais. Diga não a si mesmo quando perceber que está concordando em ser roubado pelos impostos, roubado pelas falsas informações, roubado quando acredita nas promessas dos políticos que dizem não a você, roubado quando acredita que eleições resolverão todos os males, roubado ...
06/08/2011 - Cultura - OS MENINOS DO CHACO - URDA ALICE KLUEGER
"Então paramos em mais um posto de abastecimento ao longo da longa tira de asfalto que cortava o Chaco argentino. Eu morria de fome, e tratando de cumprir as ordens, não esperei por ninguém: tratei logo de conseguir comida, uma deliciosa carne fria com muita pimenta e batatas frias, pelo que entendi, prato típico daquela região. Assim, quando os me...
02/08/2011 - Cultura - A PEDRA DE SÍSIFO - HOMERO MATTOS Jr.
"Segue, abaixo, um trecho da conferência de Günter Grass à Associação Alemã de Jornalistas, publicada na íntegra na edição dominical do jornal espanhol El País.O mito (grego) de Sísifo é mais um de seus congêneres a ilustrar o inconformismo humano diante da vontade dos deuses, estes nem sempre ao par com nossas expectativas sobre o quê é ou como de...
06/06/2011 - Cultura - AS MARCHAS BRASILEIRAS PELA LIBERDADE DE... - Fausto Brignol
"Enquanto isto, na Europa, principalmente Espanha, Grécia e Portugal, França e Irlanda - por enquanto - o povo sai às ruas por melhores condições de vida. Contra o desemprego, corrupção e desigualdade. Na Espanha, pede-se uma Democracia Real e não uma estéril democracia do voto. Milhares de pessoas estão acampadas na Praça do Sol, em Madri, gritand...
06/06/2011 - Cultura - A CORRUPÇÃO TAMBÉM NA LÍNGUA - Fausto Brignol
"Quando erramos, erramos. Ou não erramos? Há quem pense que uma república, por ser coisa do povo - res publica - no ensino da sua língua deve acompanhar a pobreza mental de quem não sabe ler, escrever e falar. O raciocínio parece ser o seguinte: se a maioria do povo não sabe falar (muito menos ler e escrever) o português correto, adote-se o não fal...
20/05/2011 - Cultura - AMANDA GURGEL em entrevista a João Paulo da Silva, do "Portal" - "Precisamos transformar a nosa angústa em ação"
Em entrevista ao Portal, a professora e militante do PSTU, Amanda Gurgel, que calou deputados no Rio Grande do Norte em discurso durante audiência pública, falou sobre a repercussão nacional de seu vídeo e o cenário caótico da educação no estado e no Brasil....
12/05/2011 - Cultura - OUTONO NA BARRA DO CAMACHO - QUASE JUNHO - Urda Alice Klueger
"Então, agora à noitinha, temi pelo encontro com pessoas que eu não sabia quem eram, do mesmo jeito que, decerto, pessoas do passado temeram um dia, milhares de anos atrás. Achei melhor, então, caminhar pelas dunas na direção oposta, lá para onde é a goela da Lagoa produtora de abundante alimento ao longo de milênios, e onde tarrafeavam alguns home...
21/04/2011 - Cultura - AS VELHAS PÁSCOAS - Urda Alice Klueger
"Fico entristecida quando vejo o que a sociedade de consumo fez com a Páscoa: para a maioria das pessoas, hoje, Páscoa significa ir aos supermercados disputar ovos de chocolate anunciados como os mais baratos do Brasil, muitas vezes levando junto as crianças para que elas próprias escolham sua marca preferida. A magia e o encanto da Páscoa se dissi...
13/04/2011 - Cultura - CAMINHOS PARA A DESCOLONIZAÇÃO DA AMÉRICA LATINA - Elaine Tavares
"A sétima edição das Jornadas Bolivarianas discutiu este ano um tema árduo e muito pouco palatável: a presença imperialista na cultura latino-americana. A idéia foi dar um panorama de como o império vai consolidando sua forma de ser na capilaridade da vida cotidiana através da escola, dos meios de comunicação, da vestimenta, da comida, da indústria...
11/04/2011 - Cultura - AS ESTRELAS DE QUINTANA - Urda Alice Klueger
"Ah! Quintana, queria escrever uma coisa bem bonita para ti, nestes teus 100 anos, e lembrando do teu poema que fala de todas as possibilidades - mas aconteceu a tragédia da Elfy, e na Palestina as coisas estão como estão, e minha Estrela tenta cortar-me os pés para que já não possa continuar no caminho iluminado... Perdão Quintana, choro. Acho que...
11/04/2011 - Cultura - HORROR - Emanuel Medeiros Vieira
"Não, não quero fazer teses. Apenas indago: que sociedade é essa? É a da obsessão pela magreza, do culto da juventude eterna, da plastificação contínua do corpo humano, da paixão desvairada por academias, do pavor da velhice, da busca insaciável do prazer do reino do "comprar" e do sexo banalizado e vazio? É isso: A VIDA NÃO VALE MAIS NADA."...
26/03/2011 - Cultura - NOSSOS IRMÃOS, OS ARGENTINOS - Urda Alice Klueger
"Já para o final da tarde, chegamos, afinal, à simpaticíssima cidade de Presidente Roque Saens Peña. Em outros lugares da Argentina, em outras ocasiões, eu já pudera observar como a população vai toda para as ruas nos domingos, inclusive nos domingos à noite, coisa bastante estranha para um morador do Vale do Itajaí, como eu, que nos domingos à noi...
23/03/2011 - Cultura - OS SAPATOS ME APERTAM - Fidel Castro
"Em mais uma de suas Reflexões, o comandante da Revolução cubana, Fidel Castro, comenta com fina ironia o pronunciamento do presidente dos Estados Unidos no Chile, na última segunda-feira (21). Aproveitou para comentar sobre o papel que desempenhou à frente de seu país e reiterou: " Continuarei sendo um soldado das ideias, enquanto possa pensar e r...
14/03/2011 - Cultura - CADÊ O THOMAZINHO? - José Ribamar Bessa Freire
"Cadê o Thomazinho? O Comando do Exército, com apoio da Marinha e da Aeronáutica, em documento revelado nessa semana pelo GLOBO, demonstrou que quer prolongar o suspense em relação ao desaparecimento do amazonense Thomaz Antônio da Silva Meirelles Neto e de outros 475 brasileiros, que foram vítimas de sequestro, cárcere privado, tortura, assassinat...
08/03/2011 - Cultura - MARIA DO CAIS - Urda Alice Klueger
"Na verdade, Maria descendia de toda uma genealogia de Marias, conhecidas como Maria do Cais, porque nenhuma delas soube quem era o pai nem foi registrada no civil " e teve muito padre que também lhes negou o batismo. Nasciam em pequenos lugares fétidos ali por perto dos navios, não tinham a chance da escola, e um dia substituíam suas mães, outras ...



Capa |  CULTURA  |  HISTÓRIA  |  OPINIÃO  |  TOQUES
Busca em

  
655 Notícias